Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Dólar fecha em queda ante real de olho no avanço das commodities

O dólar fechou em queda nesta sexta-feira, 10, acompanhando a melhora do apetite por risco no exterior. Em baixa desde os primeiros negócios do dia, a movimentação no dólar foi conduzida principalmente pela disparada dos preços das commodities na esteira dos resultados positivos da balança comercial chinesa. O destaque ficou por conta da valorização do petróleo, que ganhou tração com sinais de redução da oferta da Opep.

Por aqui, o recuo do dólar recebeu combustível adicional vindo da entrada efetiva de recursos no País e a expectativa de que os investidores estrangeiros seguirão alocando capital nos ativos nacionais.

No fechamento, a divisa norte-americana encerrou em queda de 0,50%, cotada aos R$ 3,1112 no mercado à vista, com mínima em R$ 3,1066 (-0,65%). O volume de negócios somou US$ 751,755 milhões.

O contrato futuro para março, por sua vez, terminou a sessão em baixa de 0,67%, aos R$ 3,1240. Com movimentação total de US$ 11,316 bilhões, o ativo teve seu menor nível do dia registrado em R$ 3,1190 (-0,83%).

O fim da tarde trouxe um sinal de alerta para a percepção do Brasil. A agência de classificação de risco Standard & Poor's (S&P) manteve a nota soberana do Brasil em BB, com perspectiva negativa. O anúncio da instituição adia as expectativas de uma recuperação do rating nacional e reforça a ideia de que o País ainda se encontra num processo de ajuste, com baixo crescimento e demanda reprimida.

O dólar mostrou pouca reação, diminuindo levemente as perdas frente ao real. De acordo com dois executivos de corretoras nacionais, a informação foi conhecida num momento de baixa liquidez no mercado. Sendo assim, é possível que a resposta mais clara nas cotações venha apenas na segunda-feira.

Profissionais do mercado apontaram que um recuo maior do dólar tem sido limitado nas persistentes dúvidas sobre a rolagem ou não do estoque de US$ 7 bilhões em contratos de swap cambial que vencem em 1º de março.

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo