Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Fluxo de veículos nas estradas cai 0,4% em outubro ante setembro, diz ABCR

A circulação total de veículos em outubro nas estradas concedidas à iniciativa privada do País caiu 0,4% na comparação com setembro, já descontados os efeitos sazonais. O dado foi divulgado nesta quinta-feira, 10, pela Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR) e a Tendências Consultoria Integrada. A queda foi determinada pelo recuo de 3,1% no movimento de veículos pesados, uma vez que o fluxo de veículos leves cresceu 0,4% no período.

"A retração do fluxo de pesados ditou a redução do indicador agregado", afirmou Rafael Bacciotti, economista da Tendências. "A intensa contração de veículos pesados converge com os resultados mais recentes de parte dos indicadores de atividade econômica que apontam na direção de uma recuperação mais lenta do que o esperado no início do segundo semestre deste ano. Dentre esses resultados, vale citar a forte retração da atividade industrial no terceiro trimestre que anulou toda a sequência positiva acumulada ao longo do início do ano" completou.

Em relação ao mesmo período de 2015, o índice total apresentou queda de 7,5%. O fluxo de veículos leves recuou 6,1%, enquanto o movimento de pesados teve retração maior, de 11,5%.

Nos últimos 12 meses, o fluxo de veículos nas rodovias pedagiadas recuou 4,2%. Considerando essa mesma base de comparação, o fluxo de veículos leves e pesados registraram queda de 3,5% e 6,3%, respectivamente.

Já no acumulado do ano, de janeiro a outubro, relativamente ao mesmo período em 2015, o fluxo de veículos nas estradas concedidas à iniciativa privada apresentou queda de 4%. Por sua vez, o fluxo de veículos leves recuou 3,2%, enquanto o fluxo de pesados apresentou queda de maior magnitude, 6,3%.

A forte retração na comparação de janeiro a outubro deste ano, manifesta, em medida, a continuidade do processo de ajuste da renda disponível das famílias", ressalta Bacciotti.