Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Ibovespa cai 1,05% e termina semana com perda de 2,37%

Em uma sexta-feira marcada pela ausência de notícias novas, os investidores mantiveram o mau humor da véspera, ainda justificado pelas incertezas dos cenários interno e externo. No Brasil, o ceticismo em relação à reforma da Previdência foi fortalecido pela percepção de aprofundamento do racha dentro do PSDB. Nos Estados Unidos, as divergências em torno da proposta de reforma tributária proposta pelo presidente Donald Trump voltaram a impor perdas às bolsas de Nova York.

Nesse cenário, o Índice Bovespa terminou esta sexta-feira, 10, o dia em queda de 1,05%, aos 72.165,63 pontos. Com esse resultado, o indicador acumulou perda de 2,37% na semana, a terceira consecutiva. Desde que o Ibovespa atingiu a última máxima histórica, em 13 de outubro (76.989 pontos), sua desvalorização soma 6,27%. Nesse período de correção, houve saída líquida de R$ 3,7 bilhões em recursos externos da Bolsa.

"Essa saída dos estrangeiros da bolsa é em parte um movimento de realização de lucros e em parte o reflexo das incertezas do investidor", disse Roberto Indech, analista da Rico Corretora. "As dúvidas quanto à reforma da Previdência e a proximidade das eleições, além da reforma tributária nos EUA, são fatores que justificam esse comportamento de cautela", afirmou o analista.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, repetiu o discurso dos últimos dias em defesa da reforma. Segundo ele, a nova versão do texto, com propostas mais enxutas, deve ser apresentada até o final da próxima semana. Diante dessas novas articulações do governo, Meirelles afirmou que o governo tem apoio político para aprovar a reforma e lembrou que a atual gestão já aprovou outras medidas estruturais.

Um dos poucos eventos relevantes nesta tarde foi a manifestação da agência de rating Fitch, que confirmou o rating BB do Brasil, com perspectiva negativa. A decisão ficou dentro do esperado pelo mercado e não chegou a influenciar os negócios. Meirelles disse ter visto com normalidade a decisão da Fitch. "Eles não tinham como elevar o rating. Eles avaliam a situação atual", disse o ministro em entrevista coletiva em Porto Alegre, após almoço com empresários na Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs).

A queda da bolsa atingiu essencialmente as "blue chips" do mercado doméstico. Mesmo com o petróleo operando em queda, Petrobras ON teve alta de 0,17%, enquanto Petrobras PN terminou o dia estável. No setor elétrico, o destaque foi Eletrobras ON e PN, que caíram 2,15% e 3,40%, devolvendo lucros recentes, com novas incertezas em torno da privatização da empresa. No setor financeiro, as ações seguiram em sentidos diferentes. Bradesco ON subiu 0,43%, enquanto Banco do Brasil ON recuou 2,98%.

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo