Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Ibovespa recupera 75 mil pontos na abertura com exterior e dólar calmos

O Ibovespa abriu a sessão de negócios desta sexta-feira, 14, renovando máximas e se firmou no nível dos 75 mil pontos, perdidos no pregão da quinta-feira, 13. O movimento positivo, mas comedido, nos mercados acionários no exterior dava espaço para a recuperação do índice da Bolsa local em uma manhã na qual o dólar dá uma trégua frente ao real e à maioria das moedas de emergentes e de países desenvolvidos.

A sensibilidade dos investidores com novos elementos da cena eleitoral continua no aguardo de novas pesquisas de intenção de voto, como a Datafolha na noite desta sexta-feira.

Às 11h10, o Ibovespa subia 0,88%, aos 75.345,62 pontos. Nesse horário, os pares nos Estados Unidos operavam com sinais mistos, após abrirem em alta. O Dow Jones rondava a estabilidade em leve alta de 0,01% e o S&P500, de 0,02%. Na contramão, Nasdaq apontava baixa de 0,06%.

No exterior, a manhã iniciou com os investidores tendo baixa aversão ao risco. Há menor pressão sobre assuntos envolvendo as disputas comerciais, principalmente dos Estados Unidos em relação à China e o dólar segue dando espaço para o fortalecimento das divisas de países emergentes.

Para Raphael Figueredo, da Eleven Financial Research, essa semana os assuntos domésticos, em especial a cena política, se sobrepuseram à correlação do Ibovespa com o mercado internacional e o índice se descolou da trajetória externa. "Quando o assunto é só o mercado brasileiro fica mais difícil de entender os movimentos e essa semana foi muito mais assim."

Segue no radar, a incerteza em torno do futuro da candidatura de Jair Bolsonaro (PSL), continua internado na UTI, em condições clínicas estáveis e sem complicações no período pós-operatório, segundo o Hospital Albert Einstein, em boletim divulgado na manhã desta sexta-feira.

Também, mais cedo, dados do setor de serviços de julho divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) decepcionaram com queda de 2,2% na margem. Na comparação com julho do ano anterior, houve queda de 0,30%.