Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Ibovespa sobe 1,63% com otimismo por eleição

O Índice Bovespa foi impulsionado pelo otimismo do investidor com o cenário eleitoral doméstico e oscilou em alta durante todo o pregão desta segunda-feira, 22. O índice terminou o dia aos 85.596,69 pontos, com ganho de 1,63%. Os negócios com ações na B3 somaram R$ 11,7 bilhões, volume abaixo da média de outubro.

A percepção de consolidação da liderança de Jair Bolsonaro (PSL) na preferência do eleitor na eleição presidencial foi um dos principais fatores apresentados por analistas para justificar a alta das ações, mesmo em um dia de queda de bolsas em Nova York e na Europa. A aposta no avanço de uma agenda liberal e reformista voltou a estimular a compra de papéis do chamado "kit eleições", como Petrobras ON e PN, que avançaram 2,70% e 2,35%.

O aceno da China com um pacote de estímulos para a economia e para as bolsas locais também foi fator importante para impulsionar a bolsa brasileira. As bolsas chinesas fecharam o pregão com altas robustas. As promessas de incentivo econômico na China favoreceram as ações de empresas de mineração e siderurgia pelo mundo, incluindo a brasileira Vale, que subiu 3,25%.

Com o resultado de hoje, o Ibovespa passa a contabilizar ganho de 7,88% em outubro. O que chama a atenção dos profissionais do mercado é que o rali tem sido sustentado principalmente por investidores institucionais locais.

"Houve um movimento de aversão ao risco no exterior e é natural que o capital externo saia do País, até para que os investidores possam cobrir perdas de outros mercados. Há também por parte do estrangeiro alguma cautela com o que virá em um possível governo de Jair Bolsonaro. Por outro lado, o investidor local tem mostrado satisfação com as declarações do candidato favoráveis a reformas", disse Victor Cândido, economista-chefe da Guide Investimentos.

Para o economista, no entanto, os gestores de fundos estrangeiros estão atentos aos acontecimentos do Brasil e podem voltar a qualquer momento, pois serão cobrados se perderem as oportunidades do mercado local.

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo