Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Juros caem com apetite a risco em emergentes e expectativa de alta de Bolsonaro

Os juros futuros fecharam a sessão regular desta terça-feira, 12, em queda firme, mais pronunciada nos vencimentos de longo prazo, refletindo principalmente o aumento do apetite pelo risco no exterior, que, nesta terça, favorece ativos de economias emergentes e enfraquece o dólar de forma generalizada. Cerca de meia hora antes do encerramento dos negócios, as taxas longas bateram mínimas, diante da perspectiva de melhora nas relações comerciais entre a China e os Estados Unidos e declarações otimistas sobre a economia do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Jerome Powell. Nas ações, o Ibovespa renovou sucessivas máximas na última hora e o dólar bateu mínimas.

No fim da sessão regular, a taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2020 fechou em 6,480%, de 6,505% no ajuste anterior, enquanto o DI para janeiro de 2021 caiu de 7,232% para 7,16%. A taxa do DI para janeiro de 2023 encerrou em 8,25%, de 8,342%, e a do DI para janeiro de 2025 em 8,76% (mínima), de 8,862%.

Pela manhã, o clima já era positivo em função do acordo prévio no Congresso dos Estados Unidos para evitar a paralisação da máquina pública a partir de sábado. E o quadro melhorou ainda mais à tarde, com alívio nas tensões sobre o fechamento do acordo comercial entre chineses e norte-americanos.

Pouco antes do fechamento deste texto, o presidente Donald Trump afirmou que, se o país e a China estiverem perto de um acordo comercial em 1º de março, quando termina a trégua tarifária acordada por ele e pelo líder chinês, Xi Jinping, poderia estender o prazo para continuar as negociações. Se isso não ocorrer, as tarifas americanas de 10% sobre US$ 200 bilhões em produtos chineses serão elevadas a 25% a partir da data.

No Brasil, após a ata do Copom voltar a alertar sobre a importância da continuidade do processo de reformas para a queda da taxa de juros estrutural, a perspectiva de que a proposta para a Previdência possa, finalmente, começar a andar foi ampliada pela possibilidade de que o presidente Jair Bolsonaro deixe o hospital na quarta-feira.

Segundo o médico Antonio Luiz Macedo, que acompanha o quadro do presidente, Bolsonaro está nesta terça "excelente" e muito bem humorado.

Após se reunir com o ministro da Economia, Paulo Guedes, o secretário especial da Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, disse que a equipe concluiu um texto base do projeto que será apresentado ao presidente assim que ele estiver recuperado.

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo