Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Juros de curto e médio prazo caem com investidor à espera da votação

A expectativa de aprovação do processo de impeachment em votação na Câmara, intensificada nesta semana, voltou a conduzir a queda das taxas dos contratos futuros de juros nesta sexta-feira, 15. O movimento arrefeceu durante a tarde entre os contratos mais longos, em meio à percepção de que a decisão dos deputados no domingo já está em grande parte precificada. Mas as apostas majoritárias são claras: para o mercado, o governo Dilma Rousseff caminha para o fim.

A taxa do DI para janeiro de 2017 fechou a sessão regular em 13,60%, ante 13,650% do ajuste de ontem, e o vencimento para janeiro de 2018 marcou 12,96%, ante 13,11%. Na ponta longa, o DI para janeiro de 2021 indicou 13,04%, igual ao ajuste anterior.

Pela manhã, o fato de o governo ter sofrido derrota na noite de ontem no Supremo Tribunal Federal (STF), em mandado impetrado pela Advocacia-Geral da União para anular o processo de impeachment, justificava o recuo das taxas de juros. Além disso, investidores reagiam ao Placar do Impeachment, do Grupo Estado, que já na noite de ontem indicava que a oposição tem votos suficientes para dar continuidade ao processo de impeachment. Na tarde de hoje, o levantamento indicava 346 deputados a favor do impeachment e 129 contrários. Há 13 indecisos e 25 não responderam. São necessários 342 votos para o impeachment passar pela Câmara.

À tarde, houve desaceleração da queda das taxas, em especial, na ponta longa. Investidores vendidos em taxa aproveitam para realizar parte dos lucros mais recentes. A percepção também era de que a maior parte da precificação antes do domingo já está feita. Para a segunda-feira, as taxas de juros podem cair ainda mais - porém, não necessariamente em reação ao domingo, mas sim porque as especulações em torno de uma nova equipe econômica vão crescer.

No campo econômico, os ministros da Fazenda, Nelson Barbosa, e do Planejamento, Valdir Simão, entregaram ao Congresso o projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2017. O projeto prevê o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 1% em 2017. Já a meta de superávit primário do setor público é de 0,1% do PIB. A inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), está projetada em 6,0%, enquanto a Selic para o fim de 2017 é calculada em 12,75%.

Os números, apesar de importantes, pouco fizeram preço no mercado de juros. Mesmo porque, existe uma sensação de que a dupla formada por Barbosa e Simão pode estar com os dias contados em função do processo de impeachment.

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo