Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Juros futuros recuam com melhora do apetite por risco global


As taxas de juros negociadas no mercado futuro fecharam em baixa nesta sexta-feira, 12, diretamente influenciadas pela melhora do humor dos investidores internacionais. A forte alta dos preços do petróleo impulsionou as bolsas de valores pelo mundo todo e aumentou o apetite por risco em países emergentes. Com isso, houve maior participação de investidores estrangeiros no mercado brasileiro, embora o volume de negócios tenha sido considerado baixo.

O cenário interno foi de poucas notícias, o que acabou por aumentar a força da influência internacional. Pela manhã, a Fundação Getúlio Vargas divulgou que o Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) subiu 1,23% na primeira prévia de fevereiro, ante avanço de 0,41% na primeira prévia do mesmo índice em janeiro. No sentido inverso, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que mede a inflação da cidade de São Paulo, registrou alta de 1,34% na primeira quadrissemana de fevereiro, mostrando ligeira desaceleração frente 1,37% da medição de janeiro, segundo a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe).

Os números de inflação não chegaram a fazer preço no mercado futuro de juros, que, no entanto, continuou a repercutir negativamente o adiamento do anúncio do contingenciamento de gastos do governo. O anúncio era para ter sido feito hoje, mas foi adiado para março, em decisão informada ontem pelo governo.

Ao final dos negócios do período regular na BM&F, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento em julho de 2016 fechou com taxa de 14,295%, ante 14,315% do ajuste de ontem. O vencimento de janeiro de 2017 terminou o dia projetando 14,420%, ante 14,475% do ajuste anterior. O DI para janeiro de 2018 ficou em 15,11%, ante 15,20% do ajuste de quinta-feira. Na ponta mais longa da curva, o DI para janeiro de 2021 ficou com taxa de 16,06%, ante 16,12%.

O Ministério da Fazenda confirmou nesta tarde o nome de Otávio Ladeira como secretário do Tesouro Nacional, conforme antecipou o Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado. Ladeira é funcionário de carreira do Tesouro, e ocupava o cargo interinamente desde dezembro de 2015. Segundo a Fazenda, Ladeira é o primeiro secretário efetivo oriundo da carreira de Finanças e Controle, criada em 1989.

A nomeação de Ladeira foi bem vista pelo economistas. A economista-chefe da XP Investimentos, Zeina Latif, diz ter visto com bons olhos a confirmação do nome do economista. "O Otávio é um funcionário público que honra a camisa que veste. Ele é sério, honesto e está há muito tempo no governo. Conhece a máquina pública. Gosto muito dele. Sempre que vou a Brasília procuro me encontrar com ele", disse Zeina.

No cenário político, a principal notícia foi a da viagem da presidente Dilma Rousseff a São Paulo, onde se encontrará logo mais com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Essa será a primeira vez que Dilma se encontra com Lula depois da série de denúncias envolvendo o ex-presidente. Conforme reportagem do jornal "O Estado de S. Paulo" de hoje, PT e Palácio do Planalto aguardam uma resposta de Lula sobre o sítio usado por ele em Atibaia, alvo de inquérito da Operação Lava Jato, para traçar uma estratégia de defesa do petista.

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo