Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Juros longos fecham em alta com incertezas do cenário externo

No retorno do feriado de Finados, o investidor do mercado de juros continuou reduzindo posições vendidas na parte longa da curva a termo, o que provocou elevação das taxas nesta quinta-feira, 3. Os vencimentos de curto e médio prazos, por sua vez, fecharam perto da estabilidade, na falta de novidades que pudessem alterar a percepção de que o ritmo de corte da Selic será gradual. Ao término da sessão regular, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro tinha taxa de 12,22%, de 12,25% no ajuste de terça-feira. A taxa do DI janeiro de 2019 passou de 11,60% para 11,58%. O DI janeiro de 2021 terminou com taxa de 11,47%, de 11,42%.

O foco dos investidores continuou no exterior, onde o dia foi marcado pelo menor apetite por ativos de risco, embora as moedas de economias emergentes tenham se comportado bem. As taxas longas subiram, mas o movimento foi limitado pelo câmbio, uma vez que o sinal negativo do dólar ante o real prevaleceu durante a maior parte da sessão.

De modo geral, investidores preferiram reduzir sua exposição em meio à manutenção do receio de uma vitória do candidato republicano, Donald Trump, na eleição presidencial norte-americana, na próxima terça-feira (8). Além disso, pesou nos negócios a sinalização do Banco da Inglaterra (BoE) de que pode alterar a direção de sua política monetária expansionista. Internamente, o fator de pressão veio do leilão de títulos prefixados, que normalmente influencia os DIs em razão das operações de proteção contra o risco dos papéis realizadas no mercado futuro.

Na eleição americana, pesquisas de intenção de voto divulgadas hoje seguem refletindo uma situação de empate técnico entre os candidatos Hillary Clinton (Democrata) e Donald Trump (Republicano). Aquela divulgada pela rede CBS coloca Hillary com 45% das intenções de voto e Trump, com 42%. A margem de erro nessa sondagem é de 3 pontos porcentuais. A sondagem do jornal Washington Post e da rede de televisão ABC mostra a candidata com 47% e o republicano com 45%. A margem de erro também é de três pontos porcentuais.

O comunicado do Federal Reserve, divulgado ontem após a reunião de política monetária, cuja expectativa ajudou a impor cautela nos negócios domésticos na terça-feira, foi bem digerido e não alterou a expectativa de que os juros devem subir em dezembro nos EUA.

No Brasil, o mercado apenas monitorou a sessão do Supremo Tribunal Federal (STF), que formou maioria para determinar que réus não possam fazer parte da linha sucessória da Presidência da República. Mesmo com o pedido de vista do ministro Dias Toffoli, seis ministros já votaram para atender a ação proposta pela Rede Sustentabilidade. A decisão coloca em risco a permanência de Renan Calheiros (PMDB-AL) na presidência do Senado, já que o peemedebista é investigado em pelo menos 11 ações no STF.