Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Juros reduzem alta e fecham de lado, com mínimas do dólar e Previdência

A pressão de alta que marcou a etapa matutina dos negócios com juros começou a se esvair no início da tarde, abrindo espaço para que as taxas fechassem de lado, embora alguns contratos tenham preservado um viés de alta. O alívio se deu a partir da aceleração da queda do dólar e à repercussão positiva da instalação da comissão especial da Câmara para analisar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da Previdência entre o fim da manhã e o começo da tarde. Tais fatores acabaram amenizando o efeito do IPCA-15 de abril acima da mediana das estimativas.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2020 fechou a jornada regular em 6,460%, mesmo patamar do ajuste de quarta; a do DI para janeiro de 2021 subiu de 7,042% para 7,08%. A taxa do DI para janeiro de 2023 passou de 8,222% para 8,23%. A taxa do DI para janeiro de 2025 terminou a 8,77%, de 8,762%.

Apesar do alívio nas taxas à tarde, os mercados de bolsa e câmbio "andaram" bem mais em relação aos juros, cuja melhora se deu com um certo atraso durante o dia. "Houve alguma realocação de risco, pois o pré vinha tendo desempenho melhor do que os demais nos últimos dias", disse um gestor.

Essa resistência foi também foi atribuída ao fato de que as revisões de inflação para cima e a manutenção do câmbio acima de R$ 3,90 podem representar um entrave para um eventual afrouxamento da política monetária, ainda que, ao mesmo tempo, as expectativas para a atividade só façam piorar.

O IPCA-15 subiu 0,72% em abril, sendo a taxa mais elevada para o mês desde 2015. O dado ficou acima da mediana das previsões dos analistas (0,67%). Após o dado, o JPMorgan elevou a projeção para IPCA de 2019 de 3,80% para 4,00%.

Além do avanço do dólar, outro fator a trazer cautela pela manhã foi a expectativa com os lotes de títulos prefixados que o Tesouro ofereceria no leilão tradicional. Porém, as ofertas - de 6,5 milhões de LTN e 450 mil NTN-F, vendidos integralmente - vieram abaixo das da semana passada (1,050 milhão de NTN-F e 7 milhões de LTN), tirando pressão das taxas.

Ainda, o investidor reagiu positivamente à instalação da comissão especial da reforma da Previdência, que já tem presidente, o deputado Marcelo Ramos (PR-AM), e relator, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), eleitos, mas só começará a funcionar em 7 de maio. O governo atualizou os valores da economia fiscal esperada com a reforma, de R$ 1,1 trilhão para R$ 1,236 trilhão em dez anos. O aumento na previsão se deveu a alterações feitas na Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2020 e na possibilidade de as mudanças serem votadas ainda neste ano, o que implica economia já no ano que vem.

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo