Entenda o que é a revisão da vida toda e quem tem direito a ela

Em 1999, houve uma mudança nas Leis Previdenciárias que redefiniu a forma de calcular os benefícios sociais. Na época, todas as pessoas que contribuíram no INSS antes do Plano Real (1994), tiveram os depósitos desconsiderados. Porém, a Reforma da Previdência em 2019 abriu possibilidades para essa revisão, instaurando um processo no STJ. Apesar de ter ganho a votação com 6 votos contra 5, a medida ainda está sujeita a contestações do INSS.

Foto: Divulgação

A partir da aprovação da proposta, os aposentados podem resgatar as contribuições feitas antes de 1994. Tal medida, significa aumento no valor recebido pelos beneficiários e isso preocupa os cofres públicos. Seria essa a principal razão para uma possível contestação do Instituto.

Quem pode solicitar a revisão da vida toda

Existem quatro critérios iniciais para se enquadrar na revisão da vida toda. Primeiramente, é preciso ter se aposentado com as regras de antes da Reforma da Previdência. Então, é necessário fazer um cálculo para saber se a renda será mais vantajosa com a junção de toda a contribuição. Além disso, os melhores salários devem ser anteriores a julho de 1994. Por fim, o aposentado deve solicitar a revisão na justiça, já que a decisão do STF não obriga o INSS a fazer a revisão. Por isso mesmo, a revisão não tem prazo para ser aplicada, dependendo apenas do andamento do processo.

Antes de mais nada, é preciso entender que a revisão da vida toda não é aplicável a todos os beneficiários. Por essa razão, o cálculo previdenciário que analisa as contribuições se torna tão relevante. Com ele, fica evidente se haverá aumento no benefício recebido ou não.

Revisão da vida toda x cofres públicos

Inicialmente, a Reforma da Previdência foi criada para equilibrar o valor arrecadado ao valor pago mensalmente aos beneficiários. Nesse sentido, a nova medida pode trazer esse mesmo problema à tona por aumentar o valor pago pelo INSS, mas não aumentar a arrecadação.

A estimativa é que, em um prazo de 15 anos, a revisão da vida toda traga um impacto de R$360 bilhões aos cofres públicos.

Outras mudanças para 2023

Além da revisão da vida toda que ainda está em votação, neste dia 11 foi anunciado o novo reajuste do INSS. Com um aumento percentual de 5,93%, o reajuste de 2023 é válido desde 1º de janeiro para todos os beneficiários que recebem a aposentadoria desde janeiro de 2022.

O valor mínimo passa a ser de R$ 1.302 e o teto vai para R$ 7.507,49. Em reais, esse aumento representa um aumento de R$ 90 reais para o piso, até R$ 420,27 para os valores mais altos.

Gostou desse conteúdo? Então acesse o blog da Solução Financeira para encontrar mais informações e dicas de como cuidar bem do seu dinheiro.

Entre no grupo do Massa News
e receba as principais noticias
direto no seu WhatsApp!
ENTRAR NO GRUPO
Compartilhe essa matéria nas redes sociais
Ative as notificações e fique por dentro das notícias
Ativar notificações
Dá o play Assista aos principais vídeos de hoje
Colunistas A opinião em forma de notícia
Alisha
Alorino
Antônio Carlos
Bianca Granado
Camila Santos
Edvaldo Corrêa
Elaine Damasceno
Fabiano Tavares
Gabriel Pianaro
Giselle Suardi
Guilherme C Carneiro
Mateus Afonso
Mauro Mueller
Oseias Gomes
Papai em Dobro
Tais Targa