Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Para professor da UFRJ, imposto fixo na formação do diesel reduziria volatilidade

A melhor forma de reduzir a volatilidade do preço dos combustíveis no mercado interno brasileiro é criar um imposto de valor fixo, já que a arrecadação do governo representa uma grande fatia no custo do diesel (24%) e da gasolina (45%), avaliou o professor da UFRJ, Edmar Almeida. Temendo uma nova greve dos caminhoneiros, o governo vem estudando uma maneira de evitar que a volatilidade do mercado internacional contagie os preços internos do diesel sem sacrificar o caixa da Petrobras, como ocorreu em governos anteriores com o congelamento de preços.

De acordo com Almeida, não é possível "tapar o sol com a peneira" diante do aumento do preço do petróleo no mercado internacional e a desvalorização do real. É preciso educar a população para entender que o preço é livre, e se o governo quiser reduzir a volatilidade, a saída é mexer nos impostos, defende. "Estamos olhando para apenas uma parcela da formação do preço, que é volátil (preço do petróleo e câmbio). Para reduzir a oscilação o melhor seria estipular um preço fixo para os impostos", explicou. A criação de um "fundo estabilizador", como sugerem alguns analistas, esbarra nos aportes iniciais, segundo Almeida. "De onde viriam esses recursos?", pergunta.

No caso da gasolina, o aumento da Petrobras, monopolista do refino no Brasil, incide apenas em 32% do preço, sendo 29% decorrente de ICMS; 16% de Cide e PIS/Pasep e Confins; e 10% para a distribuição e revenda. Outros 13% são referentes ao custo do etanol anidro em abril. Já no diesel, a Petrobras ajusta 54% do preço total, enquanto a distribuição e a revenda ficam com 16%; o ICMS, com 15%; Cide e PIS/Pasep e Confins, com 9%, e o custo do biodiesel que é misturado ao combustível fóssil com 0,6%.

Ele lembra que o mercado internacional de petróleo está volátil, se recuperando de baixas vividas desde 2014, quando chegou a custar menos do que US$ 30 o barril, e que depois chegou a atingir US$ 80, girando hoje em torno dos US$ 70 o barril. "Houve queda do lado da oferta com problemas na Venezuela e Líbia, mas a demanda continua crescendo mesmo com a retração da economia mundial. Não é possível projetar se vai subir mais, mas no curto prazo a tendência é de alta", disse Almeida.

Segundo ele, nem mesmo o aumento da concorrência com a venda de refinarias, como acena a Petrobras, irá reduzir a volatilidade do mercado, já que mesmo privadas as refinarias terão que seguir os aumentos internacionais para sobreviver. "Já tentaram isso aqui e quebraram todas (as refinarias privadas). Teve a Repsol e Manguinhos, mas se elas (privadas) não repassarem o preço quebram, como quebraram essas", afirmou.

Outra saída para o governo, no longo prazo, seria o estímulo a fontes alternativas de energia, como GNV (Gás Natural Veicular), etanol, e carros elétricos, uma tendência mundial que deve chegar ao Brasil em algum momento.

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo