Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Paulinho diz ter mais de 250 assinaturas de apoio à emenda à reforma

O deputado Paulo Pereira da Silva (SD-SP), o Paulinho da Força, disse nesta terça-feira, 14, ter mais de 250 assinaturas de apoio à emenda que pretende apresentar à reforma da Previdência. O objetivo é ultrapassar as 300 assinaturas, afirmou Paulinho. "Tem gente até do PSDB apoiando, do PMDB também", disse o deputado, sem citar nomes de parlamentares.

"Se chegarmos a 300, apresentamos a emenda amanhã", acrescentou o deputado. Embora regimentalmente Paulinho já pudesse apresentar a emenda - são necessárias 171 assinaturas de apoio, ou 1/3 dos deputados -, a ideia é mostrar que a proposta alternativa tem amplo apoio dos parlamentares.

A emenda de Paulinho prevê que quem ingressar no mercado de trabalho após a promulgação da reforma da Previdência terá de respeitar idades mínimas de 58 anos (mulheres) e 60 anos (homens). Para quem já está em atividade, haveria um pedágio de 30% sobre o tempo que falta para a aposentadoria segundo as regras atuais.

A proposta alternativa do deputado, que preside a Força Sindical, uma das principais centrais sindicais do País, ainda prevê que a regra de cálculo do benefício parte de 60% e ganha 1 ponto porcentual a mais a cada ano de contribuição.

A reforma apresentada originalmente pelo governo prevê idade mínima de 65 anos para homens e mulheres, bem como uma regra de transição para homens acima de 50 anos e mulheres acima de 45 anos, com um pedágio de 50% sobre o tempo restante para a aposentadoria. Já a regra de cálculo parte de 51% do benefício, acrescido de 1 ponto porcentual a cada ano de contribuição.

O PSOL também pretende apresentar uma emenda para propor a realização de um plebiscito em até três meses após a aprovação da reforma da Previdência. "Vamos atrás de apoiamento", disse o deputado Ivan Valente (PSOL-SP).

O parlamentar disse que o recolhimento das assinaturas ainda está no início, por isso eles não fizeram estimativas do apoio já angariado.

O PSOL também pretende apresentar emendas supressivas, para retirar trechos da reforma a que se opõem. O PT também se articula para propor emendas que alterem o texto.

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo