Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Planos da BRF para subsidiária One Foods são adiados

O futuro da One Foods, subsidiária criada pela BRF para cuidar da produção de alimentos destinados ao público muçulmano, só deve ser definido em 2018. A divisão se tornou uma das principais apostas da BRF para crescer e valorizar suas ações - ontem, elas estavam cotadas a R$ 42,93; um ano antes, a R$ 52,87.

A BRF começou a se preparar no início de 2017 para estruturar a abertura de capital da One Foods no exterior, numa operação que, nos cálculos do alto escalão da empresa e de acionistas, poderia render US$ 1,5 bilhão.

Os planos tiveram de ser adiados com o surgimento da Carne Fraca. A operação mirou frigoríficos do País e envolveu a BRF, que chegou a ter funcionários presos.

Com isso, ganhou força entre acionistas a possibilidade de vender uma fatia diretamente a um investidor em vez de ir ao mercado, numa operação na Bolsa.

Mais recentemente, esse caminho passou a ser defendido também pela Tarpon, que tem 8,5% da BRF, e era uma das principais entusiastas da oferta pública de ações da One Foods.

A concretização do plano - seja qual for o caminho escolhido - esbarra, no entanto, em dois obstáculos. Primeiro, a BRF precisa recuperar o desempenho da One Foods. No segundo trimestre, a companhia apresentou margem de lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) de só 1,6% frente aos 15,2% registrados um ano antes.

Há ainda um debate intenso sobre como deve ser a relação entre BRF, que controla a produção e é dona das marcas, e a subsidiária, responsável pela venda nos mercados do Oriente Médio. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.