Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Postos já recebem gasolina mais cara; veja qual será o impacto na inflação

NICOLA PAMPLONA

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Os sindicatos de postos de combustíveis do Rio e de São Paulo disseram nesta terça (6) que as distribuidoras já iniciaram o repasse do reajuste promovido pela Petrobras nos preços da gasolina e do diesel na noite de segunda (5).

Se o repasse à gasolina ficar nos 3,4% previstos pela estatal, o impacto na inflação será de 0,12 ponto percentual, de acordo com estimativas do economista da FGV Andre Braz.

De acordo o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo de São Paulo (Sincopetro), o repasse médio até agora é de R$ 0,10 por litro de gasolina e de R$ 0,15 por litro de diesel.

Na segunda, a Petrobras aumentou a gasolina em 8,1% e o diesel, em 9,5%. A estatal calculou que o repasse aos postos ficaria em ate R$ 0,12 na gasolina e R$ 0,17 no diesel.

"Mal receberam a informação do aumento de preços da gasolina e do óleo diesel nas refinarias, as principais distribuidoras de combustíveis já lançaram, em suas páginas eletrônicas, os preços majorados", informou o Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis, Lubrificantes e Lojas de Conveniência do Rio (Sindicomb).

Os preços são livres e dependem de políticas comerciais de distribuidoras e postos. Nos dois últimos meses, quando a Petrobras promoveu cortes, porém, não houve redução no preço de venda aos postos.

Até a última sexta, sete semanas após o primeiro corte, o preço da gasolina nas bombas havia caído apenas 0,03% e o do diesel, 0,9%.

"Quero uma mesa redonda com todos os envolvidos. A gente tem que explicar isso para o consumidor", reclamou o presidente do Sincopetro, José Alberto Paiva Gouveia.

INFLAÇÃO

Braz diz que o impacto inflacionário deve se restringir a dezembro, sem repasse para o início de 2017. Ele prevê que, se o repasse for integral, a inflação deve fechar o ano em torno de 6,7%, acima da meta, mas abaixo de estimativas feitas até meados do ano.

"Não é tão preocupante porque a expectativa de inflação para este ano recuou bastante nos últimos dois meses", diz.

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo