Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Powell, do Fed, diz que emergentes asiáticos devem focar demanda doméstica

O diretor do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) Jerome Powell disse que mercados emergentes asiáticos devem aproveitar o fluxo de capital privado para dar prioridade a investimentos e consumo no mercado doméstico. Em discurso preparado para uma conferência no Fed de São Francisco, Powell observou que a desaceleração recente no comércio global não deve se reverter tão cedo, o que deve levar países exportadores a reorientar suas economias.

"O custo do financiamento externo para economias asiáticas caiu, o que deve resultar em forte fluxo de capital privado para mercados emergentes", disse. "Em vez de tentar retomar o crescimento por meio de superávits externos, nessas circunstâncias faz mais sentido para os países emergentes da Ásia se concentrar na demanda doméstica como um motor para seu crescimento e permitir que os superávits comercial e em transações correntes encolham."

Powell não discutiu a política monetária dos EUA nem o resultado da eleição presidencial.

Depois de uma forte recuperação pós-recessão, o comércio global se desacelerou. As importações mundiais vêm crescendo a uma taxa média anual de 3,5% desde 2011, em comparação a uma média de 7% nos oito anos anteriores à recessão, disse o diretor do Fed. Em termos reais, as importações não vêm aumentando em comparação ao crescimento econômico mundial desde 2011, disse Powell, acrescentando que isso é "bem incomum". "Desde 1870, o comércio geralmente vem crescendo mais rapidamente do que a produção, sem incluir períodos de guerra e recessão."

Segundo ele, isso pode estar acontecendo porque a demanda global ainda não se recuperou completamente da recessão. Pode ser também um reflexo do rebalanceamento econômico da China e de mudanças no mundo que tornaram políticas de liberalização comercial cada vez mais impopulares, disse. Nos EUA, o presidente eleito Donald Trump prometeu durante a campanha eliminar ou renegociar tratados comerciais existentes. Fonte: Dow Jones Newswires.