Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Recursos passam de R$ 4 bi para R$ 15 bi em linha de pré-embarque, diz MDIC

Na semana decisiva para a presidência de Dilma Rousseff, o governo anunciou nesta quinta-feira, 14, uma nova a redução de taxas de financiamentos do BNDES e o aumento de recursos para empréstimos. As alterações foram feitas na linha Exim Pré-Embarque, que havia sido anunciada em janeiro já com taxas reduzidas.

O montante destinado para financiar produtos para exportações passou de R$ 4 bilhões para R$ 15 bilhões. Os juros foram reduzidos, as linhas destinadas à produção de bens de capital terão custo integral em TJLP, hoje em 7,5% ao ano, com prazo de até 360 meses.

Também para micro, pequenas e médias empresas poderão tomar financiamentos integralmente em TJLP, de acordo com o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

Nivelamento de taxas

Para o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, a melhoria em condições de financiamento busca um nivelamento de taxas para dar maior competitividade às empresas brasileiras.

Coutinho afirmou que o momento é de alta capacidade ociosa no setor industrial. Ele destacou que o setor exportador vem trazendo bons resultados para o País. "Não estamos falando de oferecer linhas no vazio, são linhas que têm demanda", disse.

Com a mudança, empresas inovadoras passam a ter linha de crédito com custo de 9,10% ao ano. No caso das micro, pequenas e medias empresas, as taxas serão reduzidas de 11,13% a.a. para 9,10% a.a. Os financiamentos de bens de capital voltados à produção para exportação terão custo reduzidos para 9,5% a.a. - até agora, duas linhas desse tipo tinham taxas de 11,53% a.a. e de 12,88% a.a.

O grupo de bens de consumo terá custo reduzido de 15,75% ao ano para 11,53% a.a. Para os bens especiais e serviços, a taxe fica mantida em 15,75% a.a. "Estamos reservando R$ 15 bilhões em 2016 para a exportação, um volume expressivo", afirmou o presidente do BNDES.

Plano Safra

Coutinho ainda afirmou que o Ministério da Fazenda autorizou um remanejamento de orçamento dentro do Plano Safra para disponibilizar mais de R$ 860 milhões, no âmbito do programa Moderfrota. Com isso, segundo ele, o Plano Safra terá disponibilizado um total de R$ 4 bilhões.

Evento

Depois de vários eventos ao longo do governo Dilma com pompa no Palácio do Planalto, o governo escolheu um pequeno auditório, com capacidade para pouco mais de 50 pessoas sentadas, no térreo do Ministério do Desenvolvimento para fazer o anúncio desta quinta. Participaram o ministro do Desenvolvimento, Armando Monteiro, o secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Dyogo Oliveira, e o presidente do BNDES, Luciano Coutinho.

Contaminação pelo momento político

O anúncio de redução de taxas para o financiamento a exportadores foi contaminado pelo momento político, nas vésperas da votação do impeachment da presidente Dilma Rousseff pela Câmara dos Deputados.

Distante dos grandes eventos do passado, o ministro do Desenvolvimento, Armando Monteiro, e o secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Dyogo Oliveira, lembraram as dificuldades enfrentadas pela economia brasileira e ressaltaram que incentivos às exportações são importantes para superá-las.

"O Brasil vai vencer essa quadra difícil a despeito de todas as dificuldades, o país tem ativos importantes", afirmou Monteiro.

Oliveira disse que a exportação é uma das portas de saída para o momento econômico. "Uma economia moderna como a brasileira só funciona se crédito estiver funcionando normalmente e estamos trabalhando em várias ações microeconômicas para dar eficiência à utilização de recursos disponíveis", afirmou Oliveira.

Para Monteiro, as medidas são "oportunas" e constituirão um reforço importante para o setor exportador. Ele lembrou que o Mercosul está próximo de trocar uma oferta de um acordo comercial com a União Europeia, marcada para o fim de maio, o que abrirá oportunidades para as empresas brasileiras.

"A demanda para exportações se amplia com retração no mercado doméstico e câmbio. Tenho certeza que as linhas do BNDES para exportação serão demandadas efetivamente", afirmou Monteiro.

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo