Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Reguladores aprovam provisoriamente mudanças em software do Boeing 737 Max

Os reguladores de segurança aérea dos Estados Unidos aprovaram provisoriamente o software de varredura e as mudanças de treinamento para os jatos 737 MAX da Boeing, com o objetivo de consertar problemas com um sistema de controle de voo que está sob suspeita, segundo documentos internos do governo e pessoas familiarizadas com os detalhes.

As extensas revisões, disseram essas autoridades do setor e do governo, tornarão o recurso automatizado de prevenção de perda de controle da aeronave, chamado MCAS, menos agressivo e mais controlável pelos pilotos.

Eles também disseram que o treinamento aprimorado, baseado em instruções interativas auto-guiadas em laptops, destaca informações sobre quando o sistema se conecta e como os pilotos podem desligá-lo.

As mudanças equivalem a uma reversão dos principais princípios de projeto e engenharia com os quais a Boeing contava quando desenvolveu o sistema de prevenção, que é suspeito de causar o mergulho fatal que matou 189 pessoas a bordo do Lion Air 737 MAX na Indonésia em outubro passado. Uma equipe internacional de investigadores de acidentes também está investigando se um problema semelhante levou à queda de um avião da Ethiopian Airlines menos de cinco meses depois.

A Administração Federal de Aviação (FAA, na sigla em inglês) disse que estava trabalhando com a Boeing para desenvolver e instalar um sistema MCAS revisado com base nas lições aprendidas com a tragédia da Lion Air, mas a extensão das mudanças vai além do que alguns funcionários da indústria esperavam. Um porta-voz da FAA se recusou a comentar detalhes específicos das mudanças pendentes.

Investigadores disseram que o avião da Lion Air recebeu informações errôneas de um sensor, o que levou a falha no sistema de prevenção de perda de controle, repetidamente empurrando o nariz do avião e terminando no ângulo máximo para baixo, mesmo que os pilotos estivessem resistindo. As autoridades disseram que veem semelhanças claras com o acidente ocorrido na Etiópia esse mês. Fonte: Dow Jones Newswires.

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo