Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Startup criada no Vale do Silício reforça ecossistema em Londrina

- Startup criada no Vale do Silício reforça ecossistema em Londrina

O empreendedor jamais pode se acomodar ou parar de inovar. Tem que estar atento às oportunidades do mercado e pronto para arriscar. Foi o que fez a analista de sistemas de Cornélio Procópio, no norte do Paraná, Fernanda de Araújo, de 27 anos, sócia da Gempe, empresa de desenvolvimento de aplicativos e soluções em TI. Recentemente, ela esteve pela segunda vez no Vale do Silício, na Califórnia, Estados Unidos, para participar do maior evento de tecnologia do Google, estreitar relacionamentos e conhecer as novidades na área de tecnologia. A empreendedora não voltou ao Brasil apenas com mais conhecimento e uma maior rede de contatos. Trouxe, também, o projeto de um novo negócio, sua segunda startup, a Meedhit que, assim como a primeira, integra o Projeto de Startups do Sebrae/PR.

A Meedhit, que está incubada na UTFPR, funciona como um marketplace da área de eventos. A plataforma permite que qualquer pessoa ajude a promover eventos e ganhe uma comissão pelas vendas de ingressos online. O piloto foi testado nos EUA, com a divulgação de um evento organizado por uma das maiores aceleradoras do Vale do Silício. “Eles pagaram até 30% de comissão para quem conseguisse vender o ingresso”, conta Fernanda. Para a empresa, foi um ótimo investimento, já que, pelas mídias tradicionais, teria que desembolsar um porcentual bem maior, de até 50%, segundo a empreendedora.

Para participar é muito simples. Basta entrar no site (https://meedhit.com/) e fazer um cadastro. A plataforma cria um link único para a promoção de cada evento. Todos que efetivarem vendas recebem uma gratificação pré-estabelecida. Para as empresas, o Meedhit representa mais um canal de comércio online, sem muitos custos, já que a plataforma cobra apenas 10% do valor das entradas para a ajuda na divulgação. A ideia, segundo Fernanda, é abrir o espaço para outros tipos de produtos no futuro.

A empreendedora, que também é co-fundadora de outra startup, a Report City – um aplicativo que conecta os gestores públicos à população, que usa o espaço para comunicar em tempo real os problemas da cidade – conta que a ideia do Meedhit é de Henrique Dutra, brasileiro que trabalha na HP, empresa com sede no Vale do Silício. “Ele precisava de pessoas para desenvolver e tocar o negócio”, conta. Além do Sebrae/PR, outros parceiros, como professores e promoters de eventos dos EUA, também estão ajudando no projeto.

Ter vivido experiências frustrantes no mercado de trabalho e ser de uma família de empreendedores contribuíram para que Fernanda decidisse ter o próprio negócio. Ao lado de dois sócios – Rafael do Prado Ribeiro e Leandro de Araújo -, abriu sua primeira empresa quando ainda estava no último ano da faculdade. “Começamos com o desenvolvimento de softwares para a área fiscal, mas logo vimos que não era algo escalável. Aí, mudamos para o desenvolvimento de aplicativos e aplicações web”, afirma.

Na avaliação da analista de sistemas, que já teve um negócio frustrado, a primeira recomendação para quem quer criar uma startup é montar uma boa equipe. “Mesmo se a ideia não for tão boa, você tem força suficiente para colocar algo no mercado”, garante. Ela afirma que a grande diferença entre os empreendedores brasileiros e os do Vale do Silício é que, aqui no Brasil, as pessoas identificam um problema e buscam dar uma solução para ele. “Para os americanos, todos os problemas já foram resolvidos, o que os incomoda é a forma como isso foi feito. Então, eles buscam melhorar as soluções já existentes”, compara.

O consultor e gestor do Projeto de Startups do Sebrae/PR em Londrina, Fabrício Bianchi, diz que a ideia da Meedhit, concebida no Vale do Silício, traz muitas oportunidades para o Brasil e benefícios para o ecossistema local. Na avaliação dele, isso mostra o dinamismo dessas empresas e o aproveitamento das oportunidades para quem está atento ao mercado. “Retrata a proatividade de empreendedores como a Fernanda, atendida pelo nosso projeto, em não se acomodar e buscar novos negócios”, aponta.

O Sebrae/PR oferece suporte para os empreendedores estruturarem uma ideia e transformá-la em um negócio inovador e de alto potencial. Para isso, a entidade oferece atendimento especializado, oficinas e mentoring em diversas especialidades, como finanças, marketing, inovação.

(com assessoria de imprensa)