Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Temer: governo cumpriu dever e remeteu ao Congresso a reforma da Previdência

(Foto: Beto Barata/PR/ Fotos Públicas) - Temer: governo cumpriu remeteu ao Congresso a reforma da Previdência
(Foto: Beto Barata/PR/ Fotos Públicas)

O presidente da República, Michel Temer, disse nesta terça-feira, 7, que o governo "cumpriu seu dever" ao propor uma reforma da Previdência ao Congresso e que o texto enviado corta privilégios. A mensagem foi gravada em vídeo e distribuída nas redes sociais do presidente, um dia depois de Temer admitir pela primeira vez a possibilidade de uma derrota na votação da reforma no Congresso.

"O governo cumpriu o seu dever, remeteu ao Congresso Nacional a reforma da Previdência", disse Temer. "Quero transmitir minha a ideia de que toda a minha energia está voltada para concluir a reforma da Previdência."

Por trás da declaração de segunda-feira do presidente, que foi interpretada como se o governo tivesse jogado a toalha, há a estratégia do Palácio do Planalto de dividir com a cúpula do Congresso a responsabilidade da aprovação da proposta.

Temer informa no vídeo que se reuniu com os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), além de deputados e senadores que lideram sua base aliada. Ao contrário de parlamentares que relataram resistência para votar a reforma ao sair da reunião no Palácio do Planalto, Temer afirma que verificou nesses líderes a "disposição de produzir uma reforma da Previdência".

"Uma reforma da Previdência que dê oportunidades iguais para todos, ou seja, uma Previdência igual para todos os brasileiros, sem privilégios. Nós apenas estamos cortando privilégios e também estamos fazendo um esforço para que hoje e no futuro os aposentados possam receber suas pensões e aqueles que vierem a aposentar-se também possam receber suas pensões", diz o peemedebista.

Temer encerrou o vídeo pedindo que os cidadãos conversem com amigos e em casa sobre a necessidade da reforma, afirmando que ela "é fundamental para o País se desenvolver".