Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Varejo deve retomar ritmo de crescimento em 2018

(Foto: Pixabay) - Varejo deve retomar ritmo de crescimento em 2018
(Foto: Pixabay)

O setor varejista brasileiro segue em ritmo de retomada e crescimento, e com muitas novidades que serão tendências de mercado, já a partir deste ano. Os maiores desafios são como fidelizar os clientes cada vez mais exigentes e ampliar as vendas em um cenário tão competitivo, inovador e tecnológico. Explorar o ambiente físico e o digital e criar canais de relacionamento com consumidores que facilitem a compra também são pilares para a sustentabilidade do negócio. O panorama reflete um olhar positivo para a Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop), que enxerga um ritmo mais forte de crescimento do varejo em 2018. A Alshop aposta em incentivo importante e progressivo aos investimentos no setor e tem certeza de uma situação muito favorável para os varejistas.

O comércio eletrônico se destaca com um desempenho otimista, registrando um faturamento de R$ 49,7 bilhões em 2017. De acordo com a Alshop, a estimativa é de que o e-commerce tenha contribuído com 4,3% nas vendas do varejo no ano passado - ante participação de 3,8% em 2016. Em 2018, o varejo online brasileiro deve arrecadar cerca de R$ 86,3 bilhões, excluindo vendas dos setores de ingressos e turismo. Por outro lado, 93,4 milhões de internautas brasileiros classificados como “digital shoppers”, (usuários que navegaram, pesquisaram e adquiriram produtos online), não finalizaram a compra, necessariamente, pela internet. Os consumidores buscam conveniência e comodidade no mercado virtual, por isso são fatores decisivos o valor do frete e a forma da entrega.

O consumo das famílias também percorre o caminho da expansão e, segundo estudo realizado pelo Credit Suisse, deve ter um crescimento expressivo de 2,8%. "A expectativa para o varejo em 2018 é moderna, revolucionária e disruptiva", avalia Jorge Biff Netto, coordenador da área de MBA da Universidade Positivo (UP), de Curitiba (PR). “Hoje temos diversos sinais de recuperação. Será um ano que apenas experientes e preparados irão sobreviver”, assegura. Biff Neto lembra que um dos setores que mais experimentou expansão foi o têxtil. A estimativa para o segmento é crescimento de 3,2% no volume de vendas do vestuário, chegando a 6,34 bilhões de peças. Já em valores nominais (sem descontar a inflação), espera-se evolução de 6,3%, o que equivale a R$ 204,34 bilhões. Segundo o coordenador, os fatores que mais contribuíram para sinais positivos na economia foram os atos do Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom), a queda dos juros, o controle da inflação e as mudanças trabalhistas.