Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Estudantes continuam com ocupação e UTFPR suspende atividades em Curitiba

(Foto: Reprodução / Facebook) - Estudantes continuam com ocupação e UTFPR suspende atividades hoje
(Foto: Reprodução / Facebook)

A Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) decidiu suspender suas atividades acadêmicas e administrativas nesta segunda-feira (21) na Reitoria da instituição e na sede centro do campus Curitiba. A medida foi estabelecida em virtude da ocupação das instalações da universidade por um grupo de estudantes, desde a noite da última sexta-feira (18).

Por meio de nota, a UTFPR informou que a Justiça Federal acatou o pedido de reintegração de posse feito pela Procuradoria Federal no Estado do Paraná, após as tentativas de negociação para a desocupação pacífica. A universidade ainda divulgou que o pedido foi necessário porque no interior do prédio havia grupos a favor e contra a ocupação, “com crescente risco aos estudantes e pessoas envolvidas no conflito”.

Os estudantes não desocuparam as instalações da UTFPR no centro de Curitiba, mesmo com a decisão judicial favorável à reintegração de posse. De acordo com a universidade, foi mantida a comissão de negociação com o grupo de ocupação para tentar garantir “um processo pacífico e ordeiro de retirada, buscando assegurar a integridade física das pessoas e do patrimônio público”, conforme a nota.

A universidade comunicou ser contrária a “qualquer tipo de violência e discriminação” e lamenta profundamente esta situação, “esperando que as atividades em sua sede Centro retornem em breve à normalidade”.

Nas redes sociais, o grupo que informou ter ocupado a UTFPR divulgou o seguinte comunicado: “Nós, parte do movimento estudantil da Universidade Tecnológica Federal do Paraná continuamos ocupando o campus do Centro - Curitiba. Resistimos a diversos ataques verbais e físicos de cabeça erguida pois sabemos da legitimidade da nossa luta, que é por uma pauta nacional. Lutamos para mostrar rejeição publicamente às medidas impostas pelo Governo Federal, mostrar que o movimento estudantil não se cala perante propostas autoritárias e que não prezam para uma sociedade mais justa e igualitária. Agora estamos em processo de negociação com a diretoria e reitoria da UTFPR”.