Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Matemática da UFPR prepara estudantes de ensino fundamental e médio para competições

(Foto: Ilustração) - Matemática da UFPR prepara estudantes para competições
(Foto: Ilustração)

A matemática costuma ser apontada como uma das disciplinas mais temidas nas escolas. Cecília Mileski fazia parte do grupo avesso à matéria, até se apaixonar pelos cálculos. “Eu achava que era um bicho de sete cabeças”, conta. Hoje, a estudante de 13 anos dedica os sábados ao estudo da matemática no Programa de Iniciação Científica Jr – PIC, realizado na Universidade Federal do Paraná.

O programa é voltado para medalhistas da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP). A proposta é ampliar o conhecimento científico dos estudantes. “Consegui a medalha de ouro da OBMEP em 2016 e recebi o convite para participar do programa. Estou melhorando meu desempenho com o PIC e agora vejo que a matemática é legal. Gosto muito quando consigo resolver os exercícios”, destaca a estudante.

O Poti – Polo Olímpico de Treinamento Intensivo – é outro projeto desenvolvido para estudantes do ensino fundamental e médio na UFPR. As atividades preparam os alunos para eventos nacionais e internacionais de matemática. A proposta, de acordo com o chefe do Departamento de Matemática da UFPR, professor José Carlos Eidam, é aproximar o candidato do conteúdo das olimpíadas matemáticas. “As aulas do Poti acontecem durante todo o ano. Aqui o aluno tem um treinamento intensivo e adequado para as competições”, explica.

Nina Falabretti de 13 anos, está entre os 60 alunos regulares do projeto. Ela conta que matemática sempre foi sua matéria preferida e que ingressou no Poti para aprofundar o estudo da disciplina e, consequentemente, aumentar as notas escolares. “Algumas atividades são muito difíceis. Eles ensinam matemática mais avançada do que na escola. Preciso me esforçar para dar conta”, diz.

Os polos foram criados pela Sociedade Brasileira de Matemática em 2010 e são destinados a alunos dos níveis 1 (6º e 7º anos), 2 (8º e 9º anos) e 3 (ensino médio).

“O treinamento melhorou o desempenho dos participantes nas competições de matemática. Em 2016, pelo menos 16 alunos conquistaram medalhas”, afirma o professor do Departamento de Matemática da UFPR Diego Mano Otero, que coordena o projeto.

As aulas são ministradas por docentes da rede municipal, egressos, pós-graduandos e acadêmicos do curso de Matemática da UFPR.

Atletas da matemática

A Olimpíada Paranaense de Matemática é uma competição estadual para alunos do ensino fundamental e médio, coordenada pela Universidade Federal do Paraná. A prova abrange escolas públicas e particulares.

A segunda fase da OPRM reuniu mais de 360 alunos em seis polos do estado no final do mês de setembro: Curitiba, Cascavel, Londrina, Maringá, Ponta Grossa e Toledo.

A cerimônia de premiação está prevista para o dia 08 de dezembro, no Teatro da Reitoria. Os melhores alunos são indicados para a Olimpíada Brasileira de Matemática, que acontece nos dias 18 e 19 de novembro.

Carreira

Durante as férias escolares do mês de julho, o departamento promoveu o Brincando de Matemático. Os alunos revisaram conteúdos e ainda tiveram contato direto com graduandos do curso de Matemática.

Também neste ano, a UFPR participou da organização do Festival da Matemática. O evento faz parte da programação do Biênio da Matemática Brasil e mostrou formas de descomplicar a disciplina, com brincadeiras e apresentações divertidas.

As ações que mostram o lado criativo e dinâmico dos cálculos vêm despertando o interesse de jovens estudantes para a graduação. “Esse conjunto de atividades que desenvolvemos é tanto para os alunos que estão dúvida, como para os decididos. Depois dos projetos, a procura pelo curso aumentou em média 50%”, afirma o chefe do departamento, professor Eidam.

O professor ainda explica que infelizmente ainda há preconceito contra a carreira. “Muita gente diz que matemática não é carreira, mas os estudantes precisam saber que é uma carreira recompensadora, com muitas oportunidades”, diz.

Da UFPR