Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Paraná tem federal e mais 10 universidades invadidas

- Paraná tem federal e mais 10 universidades invadidas

O Paraná, espécie de "epicentro" das ocupações de escolas no País, tinha, até a noite desta terça-feira, 25, 851 colégios e 11 universidades invadidos, de acordo com o Movimento Ocupa Paraná.

Na segunda-feira, o prédio da reitoria da Universidade Federal do Paraná (UFPR) também foi ocupado, por cerca de 200 alunos contrários à PEC 241 e à reforma do ensino médio. O Estado divulgou números diferentes: 792 escolas teriam sido invadidas e 39, já desocupadas.

O número de colégios desocupados inclui a escola Santa Felicidade, onde o estudante Lucas Eduardo Araújo Mota, de 16 anos, foi morto por um colega, após supostamente consumirem drogas, na segunda-feira. A Procuradoria-Geral de Justiça do Paraná designou dois promotores para acompanhar o caso.

No começo da tarde, a diretoria da União Paranaense dos Estudantes Secundaristas (Upes) fez um pronunciamento em que condenou o uso do homicídio para criminalizar o movimento. "Infelizmente, episódios como esses acontecem no Paraná, onde o poder público não consegue promover políticas públicas para os jovens", disse o vice-presidente da entidade, Marcelo Miranda.

Ele ainda criticou a radicalização de movimentos contrários às ocupações. "Repudiamos as organizações que usam isso (assassinato do jovem) para criminalizar as ocupações no Paraná, a origem do crime não está relacionada às ocupações", disse. Estudantes farão assembleias nesta quarta-feira, 26 para definir o futuro do movimento. "O governo deve aguardar os resultados da assembleia e esperamos que acate as pautas a serem levantadas para podermos dar fim a esse impasse."

Enterro

Lucas será enterrado nesta quarta-feira em Mandirituba, na Região Metropolitana de Curitiba. Os pais do jovem apreendido acusado de matar Lucas vão depor na Delegacia de Homicídios. Segundo o delegado que comanda as investigações, Fábio Amaro, eles sabiam que o jovem era usuário de drogas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.