Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Rede estadual de ensino abriga mais de 4 mil alunos estrangeiros

A família dos primos Eili Al Housh, 12, e Daniel Al Saad, 11, deixaram a cidade de Damasco, na Síria, fugindo da guerra civil, e vieram ao Brasil em busca de um recomeço. (Foto: Divulgação/SEED) - Rede estadual de ensino abriga mais de 4 mil alunos estrangeiros
A família dos primos Eili Al Housh, 12, e Daniel Al Saad, 11, deixaram a cidade de Damasco, na Síria, fugindo da guerra civil, e vieram ao Brasil em busca de um recomeço. (Foto: Divulgação/SEED)

Mais de 4 mil estudantes estrangeiros migrantes, refugiados ou apátridas, de 76 nacionalidades, estão matriculados na rede estadual de ensino do Paraná. Esse número engloba alunos do ensino regular, na Educação de Jovens e Adultos (EJA) e no Curso de Português para Falantes de Outras Línguas, por meio do Centro de Línguas Estrangeiras Modernas (Celem).

Todo migrante que vem ao Brasil, em suas diferentes condições, tem direito à escolarização e ao acesso à educação básica. No processo de adaptação em um novo país, o desafio imposto pela língua se destaca. Por isso, para facilitar a adaptação e a compreensão dos novos alunos, o Paraná também oferece cursos de Língua Portuguesa para não falantes da língua.

“O domínio do idioma é importantíssimo para a integração dessa população na sociedade brasileira pois, quanto melhor se comunicar em português, maior a facilidade para usufruir das oportunidades, não só do mercado de trabalho, como para vivenciar a rotina na cultura, transporte, saúde”, explica Joice Barbaresco, representante da Secretaria de Estado da Educação no Conselho Estadual dos Direitos dos Refugiados, Migrantes e Apátridas do Paraná.

De Damasco

Em 2015, a família dos primos Eili Al Housh, 12 anos, e Daniel Al Saad, 11 anos, deixaram a cidade de Damasco, na Síria, fugindo da guerra civil, e vieram ao Brasil em busca de um recomeço. Eles escolheram o Paraná por recomendação de conterrâneos que vivem aqui. Hoje, já adaptados, reconhecem que o acolhimento com que foram recebidos no Colégio Estadual Júlia Wanderley foi fundamental para superar a barreira da comunicação.

“No início eu era quieto, ficava sozinho porque não falava o idioma, mas com o tempo fui aprendendo, os professores foram pacientes e explicaram bem devagar até que eu aprendi”, diz Eili, num português que não fica devendo nada aos falantes nativos.

“Minha principal dificuldade no início foi entender o que as pessoas diziam porque o brasileiro fala muito rápido, mas as professoras foram atenciosas e eu consegui aprender rápido. Aqui é uma escola muito boa, é onde estão meus amigos agora”, contou Daniel.

Além de alunos que migraram para o Paraná em busca de uma nova vida, o Colégio Júlia Wanderley também recebe estudantes intercambistas da Holanda, Alemanha, Itália e Estados Unidos, entre outros países, que vêm ao Paraná para aprender português. Segundo a diretora auxiliar do colégio, Valéria Meller Pereira da Silva, o intercâmbio proporciona uma grande troca cultural e de conhecimentos entre os estudantes brasileiros e os estrangeiros.

“Eles contam um pouco da cultura do seu país e aprendem a nossa, também ajudam os colegas com assuntos que já viram em suas escolas”, diz Valéria. “Essa experiência enriquece não apenas o vocabulário de quem está aprendendo um novo idioma, mas também abre um leque de possibilidades para os alunos que passam a ver o mundo de outra maneira. Já os professores absorvem um pouco de como é a educação nesses países”, conta.

Direito à escolarização

O acesso pleno à educação em todos os níveis e modalidades de ensino é garantido aos estudantes estrangeiros de acordo com a deliberação n°09/01 do Plano Estadual de Educação. O aluno migrante que chega ao Paraná sem nenhum documento que comprove sua escolaridade, mas quer estudar, tem três maneiras de ingressar no ensino regular: Classificação; Matrícula na série compatível com a idade e Equivalência e a Revalidação de Estudos Incompletos.

O primeiro passo é verificar o nível de conhecimento da Língua Portuguesa por meio de uma prova de classificação. Se o aluno comprovar que consegue se expressar e se comunicar em português, ele é encaminhado para o ano ou série referente à etapa de ensino condizente ao conhecimento que ele apresentar na prova.

Se o estudante não fala suficientemente o português, então é matriculado em série compatível com a sua idade e, junto com a matrícula da escola, pode fazer também o curso Português para Falantes de Outras Línguas (Pfol), oferecido pelo CELEM. O curso, aliás, é aberto à comunidade e pode ser feito por toda a família.

“Já se for o caso de o aluno trazer um certificado do país de origem, a escola faz uma análise para verificar qual a equivalência do aluno, ou seja, o que ele já aprendeu e o que equivale ao sistema de ensino brasileiro”, explica coordenadora da Educação de Jovens e Adultos da secretaria, Marcia Dudeque.

Apoio a estrangeiros 

O Centro de Informação para Migrantes, Refugiados e Apátridas do Paraná (Ceim-PR) presta apoio e atendimento aos estrangeiros que buscam uma nova oportunidade de vida no Brasil. A unidade é vinculada à Secretaria de Justiça, Família e Trabalho e funciona há quase dois anos.

Só nos três primeiros meses deste ano, 1.068 pessoas foram atendidas com orientação e acesso às diversas políticas públicas do Estado. A unidade acolhe e orienta os imigrantes e faz os encaminhamentos necessários, como, por exemplo, auxílio para buscar um emprego.

Colaboração AEN

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo