Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Unila promove campanha em respeito pela diversidade linguística

Foto: Divulgação - Unila promove campanha pela diversidade linguística
Foto: Divulgação

Promover o respeito e a convivência entre os diferentes idiomas e culturas que transitam na Universidade Federal da integração Latino Americana (Unila) e também fora dela, é o objetivo da campanha pela Diversidade Linguística, lançada na segunda-feira (17).

Iniciativa da Secretaria de Comunicação Social (Secom), com apoio de uma equipe formada por profissionais de comunicação, estudantes e especialistas da área de Línguas, a campanha é composta por diferentes materiais e formatos.

Em uma universidade onde se encontram pessoas de 17 nacionalidades, o respeito às diferentes línguas é fundamental. Português e espanhol são as línguas oficiais e importantes instrumentos para a integração cultural e intelectual, mas também há falantes de criollo, guarani, quéchua, achuar, yine, francês, árabe e inglês.

“Com essa campanha vamos mobilizar, sensibilizar. Não significa que quem fala português tem que falar espanhol ou vice-versa. É preciso respeito de todos para que cada um use a sua língua”, diz a professora de Espanhol, Jorgelina Tallei. “O ideal é que todos estivéssemos preparados em outra língua: docentes, técnicos, alunos , mas isso ainda leva tempo”, completa.

A docente lembra que existem casos relatados de dificuldades entre professores e alunos na rotina acadêmica. “O que precisa é que o professor tenha a sensibilidade de tentar entender ou pedir para repetir ou pedir para um colega ajudar, mas não ignorar. O aluno se sente excluído. Ainda mais se a gente lembrar que a universidade é bilíngue”, comenta.

Para ela, a questão da linguagem é mais ampla que apenas entender a mensagem do outro. “Mesmo que se entenda o que se está dizendo em espanhol ou português. Não é esse o ponto. O ponto é que a língua também marca uma posição política. Quando a pessoa se comunica, se expressa numa língua, marca uma identidade e uma posição política. 'Estou numa universidade bilingue, quero que você me entenda'”, analisa. Jorgelina lembra, ainda, que há muitas outras línguas faladas no âmbito da Universidade, que também devem ser respeitadas.

Todo o material produzido está sendo reunido no site da campanha, no qual já podem ser assistidos quatro vídeos que mostram que, mesmo em espanhol, há diversidade: “Conquistar”, “Crispetas”, “Dinero” e “Discoteca”, temas das peças são palavras que podem ser ditas de diferentes formas. Os vídeos foram produzidos pelas estudantes Adriana Quintana e Laura Hernandez Cely, como atividade do projeto de extensão "Creación de Material Digital".

No site, também podem ser encontradas informações sobre trabalhos desenvolvidos na Unila a respeito da diversidade, como é o caso da pesquisa “Políticas e realidades linguísticas na Unila” coordenada pela docente Bruna Macedo de Oliveira, que também coordena um grupo que estuda políticas linguísticas, com a preocupação de pensar a política linguística.

Cartazes da campanha estão sendo afixados nas unidades Jardim Universitário e Parque Tecnológico de Itaipu (PTI), onde as peças também poderão ser vistas em projeções e nos murais online. Mídias sociais, principalmente Facebook, receberão posts sobre o assunto como forma de envolver o maior número de pessoas.

 Colaboração: Assessoria