Curitibana que mora nos EUA relata medo de moradores com chegada do furacão Ian

(Com supervisão de Barbara Schiontek)

O furacão Ian chegou nesta quarta-feira (28) às regiões que fazem parte da rota no Golfo do México. O estado da Flórida, nos Estados Unidos, foi atingido pelo furacão, que chegou perto de atingir a categoria 5, quando os ventos ultrapassam 250 quilômetros por hora.

Cuba foi atingida na terça-feira (27) e o estrago foi tão grande que deixou quase um milhão de pessoas sem luz.

Nascida em Curitiba e moradora de Fort Myers, Adriane Hartman saiu da cidade ao saber do furacão. “Quando a gente saiu de Fort Myers falavam que não precisava, mas agora estão dizendo que foi bom termos saído. Muitos amigos ficaram e mandaram vídeos da cidade devastada”, comenta.

Fort Myers e Cape Coral, cidades da Flórida, estão quase coladas com a rota do furacão Ian, que está ainda no oceano. Mesmo sem o fenômeno passar diretamente pela cidade, muitos residentes filmaram a destruição. Casas estão inundadas e estacionamentos alagados com ondas de quase um metro de altura.

As casas dos Estados Unidos são reforçadas e preparadas para esse tipo de furacão e tornados, mas as inundações acabam sendo inevitáveis, sendo um dos maiores problemas dos moradores no litoral. Muitos moradores das cidades atingidas conseguiram sair antes da chegada do furacão por terem famílias ao redor ou hotéis onde ficar. “Quem ficou, não imaginou que ia ser um furacão tão intenso” diz Adriane.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, se juntou ao governador da Flórida, Ron DeSantis, para ajudar as pessoas que estão na zona de perigo do furacão, enviando a Guarda Nacional para auxiliar na limpeza da cidade, enviar medicamentos, alimentos e geradores de energia. Antes da chegada do fenômeno, o governador distribuiu gratuitamente areia para cidades próximas ao litoral.