Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Premiê japonês, Shinzo Abe se reúne com Trump em Nova York

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, tornou-se o primeiro líder mundial a se encontrar com o presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, procurando garantias sobre o futuro das relações de comércio e segurança dos dois países.

Abe se encontrou com Trump em Nova York, onde o republicano está trabalhando para definir sua administração após sua surpreendente vitória na semana passada, que injetou incertezas sobre as antigas alianças dos EUA.

"Eu acredito que sem a confiança entre as duas nações a aliança não funcionaria no futuro, e depois do resultado da reunião de hoje, estou convencido que Trump é um líder a quem eu posso depositar muita confiança", disse Abe.

A retórica da campanha de Trump causou consternação em muitas capitais mundiais, incluindo Tóquio. Ele disse que exigiria que o Japão e a Coreia do Sul contribuíssem mais para manter com o custo das bases militares americanas em seus países.

Tais comentários preocuparam os japoneses em um momento em que a ameaça vinda da Coreia do Norte está aumentando, e a China está desafiando o status quo de segurança dos EUA no Pacífico.

O Departamento de Estado disse que ainda tem que se reunir com a equipe de transição de Trump, sugerindo que o republicano se encontrou com Abe sem a orientação de diplomatas de carreira com experiência em lidar com os japoneses. Tanto o Japão quanto a Coreia do Sul já pagam quantias consideráveis para apoiar as bases americanas. Vale considerar que as bases também são de interesse estratégico dos americanos para enviar tropas à região.

Trump chegou a sugerir que o Japão e a Coreia do Sul podem obter suas próprias armas nucleares em vez de depender dos EUA.

O premiê japonês também pode tentar influenciar Trump sobre a Parceira Transpacífico. O pacto foi encabeçado pelo presidente em exercício dos EUA, Barack Obama, e a vitória de Trump também levantou preocupações sobre a viabilidade dessa acordo.

Espera-se que o pacto seja discutido em uma reunião anual da Cooperação Ásia-Pacífico (Apec, na sigla em inglês) no Peru, onde Abe deve chegar amanhã. Obama também vai para o país vizinho neste sábado e deve se reunir com o presidente peruano, Pedro Paulo Kuczynski. Fonte: Associated Press.