Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Revisão de programas sociais está nos planos de Trump após reforma tributária

A revisão do sistema de bem-estar social dos Estados Unidos foi um dos objetivos do governo de Bill Clinton, começando com uma promessa de campanha para "acabar com o bem-estar como o conhecemos". Agora, o presidente americano, Donald Trump, deseja reformar o sistema de assistência social, aparentemente se mostrando a favor de uma política mais restritiva. Para ele, "as pessoas estão se aproveitando do sistema".

Trump, que vem sinalizando interesse pela questão há algum tempo, disse na semana passada que deseja resolver a questão após a reforma tributária, a qual ele deseja que passe até o fim deste ano. O presidente disse que as mudanças eram "desesperadamente necessárias em nosso país" e que seu governo em breve ofereceria planos para isso.

Por enquanto, Trump não ofereceu detalhes do que pretende fazer. A porta-voz da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders, disse que detalhes provavelmente serão fornecidos no início de 2018. No entanto, as bases para um plano de reforma no sistema de assistência social já começaram na Casa Branca e Trump tornou seu interesse conhecido para os deputados republicanos.

O diretor de política de orçamento e vice-diretor do Conselho de Política Doméstica de Trump, Paul Winfree, disse que ele e outro funcionário foram acusados de "trabalhar em uma importante proposta de reforma de bem-estar". Ele afirmou que redigiram um decreto sobre o tema que delinearia princípios do governo e recomendações a agências que trabalhariam o assunto.

"O presidente realmente quer liderar isso", disse Winfree. "Ele emitiu essa mensagem de forma clara para nós. Iniciamos conversas com lideranças no Congresso para que saibam que essa é a direção em que estamos indo", comentou. Em outubro, Trump disse que o sistema de bem-estar estava se tornando um assunto "muito, muito sério e as pessoas estão se aproveitando dele".

Em 1992, Clinton correu com a promessa de mudar o sistema, mas lutou para obter consenso em torno de um projeto de lei que dividiu os democratas e fez os republicanos pressionarem por mudanças mais agressivas. Quatro anos depois, o então presidente americano assinou uma lei que substituiu um direito federal com subsídios aos Estados, colocou um limite de tempo sobre o período em que as famílias poderiam obter ajuda, entre outros fatores. Desde então, Clinton atraiu as críticas de bairros liberais e, durante a campanha presidencial do ano passado, a democrata Hillary Clinton enfrentou ativistas que argumentaram que a lei de seu marido punia os mais pobres.

Funcionários do governo Trump já sugeriram que estão olhando para programas que visam combater a pobreza. A proposta orçamentária inicial de Trump para 2018, delineada em março, procurou reduzir acentuadamente o aumento do Medicaid, de subsídios para estudantes, entre outros programas sociais. "Se você tiver ajuda de programas de auxílio, mas é apto, precisamos que você volte ao trabalho", disse o diretor do orçamento da Casa Branca, Mick Mulvaney. Fonte: Associated Press.

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo