Caso Franciele: polícia encontra troféu que pode ter sido usado no crime

A Polícia Civil continua as investigações do caso Franciele Rigoni, mulher encontrada morta dentro de um carro na última semana em Colombo, na Região Metropolitana de Curitiba. Nesta terça-feira (6), buscas na casa onde a vítima morava com o marido, principal suspeito do crime, encontraram novos indícios do que pode ter ocorrido.

mulher-morta-carro-colombo-franciele-rigoni
Foto: Reprodução/Redes sociais

Dentro da residência, foram encontradas duas apólices de seguro, que somam cerca de R$ 1,4 milhão. Segundo o delegado Herculano Abreu, que investiga o caso, uma das hipóteses é que o valor dos seguros seria a motivação para o crime.

Além disso, foi encontrado um troféu com marcas que parecem ser de sangue e que pode ter sido utilizado como arma do crime. O objeto foi apreendido e vai passar por perícia. No sábado (3), um tapete que seria da residência foi achado queimado às margens da BR-116, no Contorno Leste, na cidade de Quatro Barras.

O marido de Franciele, Adair José Lago, está preso desde a última sexta-feira (2) após ser apontado como principal suspeito no caso. Imagens mostram

As investigações agora escutam testemunhas que podem auxiliar na elucidação do crime.

Relembre o Caso Franciele Rigoni

Franciele Gusso Rigoni, 36 anos, foi encontrada morta no dia 31 de maio, em Colombo.

A mulher foi esfaqueada e encontrada dentro de um carro alugado. No dia do crime, o marido afirmou para a polícia que estava sem notícias da esposa e que encontrou o veículo por meio do rastreador. Ele foi preso no velório da vítima.

A investigação trabalha com duas hipóteses para o assassinato: a primeira seria uma motivação passional; e a segunda seria o seguro de vida do casal. A polícia acredita que Adair talvez tenha matado a esposa para ficar com a quantia, mas nenhuma hipótese foi descartada.

O advogado Jefferson Nascimento, que representa Adair Lago, afirma que a defesa está colaborando com as investigações e que o suspeito autorizou entregar ao delegado senhas de email e de telefone.

“A versão dele é que ele é inocente, por isso temos que pedir o direito à presunção de inocência. Todos devem ser tidos e considerados inocentes até o trânsito em julgado de uma condenação final”, afirma o advogado.

Leia mais:

Entre no grupo do Massa News
e receba as principais noticias
direto no seu WhatsApp!
ENTRAR NO GRUPO
Compartilhe essa matéria nas redes sociais
Ative as notificações e fique por dentro das notícias
Ativar notificações
Dá o play Assista aos principais vídeos de hoje
Colunistas A opinião em forma de notícia
Alisha
Alorino
Antônio Carlos
Bianca Granado
Camila Santos
Edvaldo Corrêa
Elaine Damasceno
Fabiano Tavares
Gabriel Pianaro
Giselle Suardi
Guilherme C Carneiro
Mateus Afonso
Mauro Mueller
Oseias Gomes
Papai em Dobro
Tais Targa