Clínica é suspeita de submeter crianças a trabalho análogo à escravidão

Uma clínica de reabilitação em Maringá foi alvo de investigações pela Polícia Civil nesta terça (14). O local estaria submetendo crianças e adolescentes a trabalho em condições análogas à escravidão.

Foto: Arquivo/CBN Maringá

O estabelecimento para dependentes químicos seria comandado por um casal religioso. Uma pesquisa feita pelo Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente (Nucria), apontou que uma criança de 7 anos trabalhou por meses na clínica com jornadas exaustivas.

A delegada da Nucria, Karen Friedrich, comenta a situação: “Nós cumprimos dois mandados de busca e apreensão, um em Maringá e um em Paiçandu, referentes a uma investigação de crime de redução à condição análoga à de escravo. Um inquérito que nós instauramos constou que uma criança de 7 anos teria trabalhado aqui em Maringá em um local que se denominava ‘casa de recuperação’, trabalhada de segunda a domingo, em uma jornada exaustiva, em uma condição degradante de trabalho”.

Não foram encontradas menores de idade na clínica durante a investigação desta terça-feira, mas os internados no local estavam trabalhando exaustivamente e se alimentando de comida estragada, comentou a delegada.

Na clínica de reabilitação de Paiçandu foi encontrado uma mulher com mandado de prisão em aberto. As investigações devem continuar nos próximos dias.

Com informações do portal GMC Online.

Entre no grupo do Massa News
e receba as principais noticias
direto no seu WhatsApp!
ENTRAR NO GRUPO
Compartilhe essa matéria nas redes sociais
Ative as notificações e fique por dentro das notícias
Ativar notificações
Dá o play Assista aos principais vídeos de hoje
Colunistas A opinião em forma de notícia
Alisha
Alorino
Antônio Carlos
Bianca Granado
Camila Santos
Edvaldo Corrêa
Elaine Damasceno
Fabiano Tavares
Gabriel Pianaro
Giselle Suardi
Guilherme C Carneiro
Mateus Afonso
Mauro Mueller
Oseias Gomes
Papai em Dobro
Tais Targa