Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Acuado por indígenas em Maringá, ministro da Saúde revoga portarias

Indígenas ocuparam escritório político de Ricardo Barros em Maringá (Foto: Célia Martinez/Rede Massa) - Acuado por indígenas, ministro da Saúde revoga portarias
Indígenas ocuparam escritório político de Ricardo Barros em Maringá (Foto: Célia Martinez/Rede Massa)

Acuado pelos protestos de indígenas em diversos pontos do país, o ministro da Saúde, Ricardo Barros, decidiu revogar as portarias que retiravam as autonomias financeira e orçamentária da Secretaria Especial de Saúde Indígena e dos Distritos Sanitários Indígenas.

Em Maringá, cerca de 300 índios das etnias xetá, kaingang e guarani se reuniram nessa quarta-feira (26) no Restaurante Universitário e depois partiram para o escritório político de Ricardo Barros, que ficou ocupado pelos manifestantes até o fim da tarde.

Os indígenas só deixaram o local com a promessa de que haveria a revogação das portarias, já no Diário Oficial da União desta quinta-feira (27), o que efetivamente aconteceu. Eles passaram a noite no ginásio Chico Neto e partiram de volta para as aldeias no início da manhã.

O Ministério da Saúde divulgou que pediu às lideranças indígenas que produzam um relatório de avaliação sobre cada distrito sanitário. O tema será debatido no dia 9 de novembro, em uma reunião dos Conselhos Distritais de Saúde Indígena.

“As medidas em curso buscam estabelecer um novo fluxo e modelo administrativo para o setor, corrigindo, por exemplo, distorções de compra de produtos com variação acima de 1.000% e atendendo determinação judicial para adequar a assistência pelas atuais empresas conveniadas”, defende o ministério.

Apesar da argumentação do governo, os indígenas temem que o atendimento de saúde seja precarizado devido às mudanças, com a centralização das decisões e do dinheiro no Ministério da Saúde.