Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Aeroporto Sant’Ana recebeu 2 mil passageiros em menos de um mês

(Foto: Divulgação) - Aeroporto Sant’Ana recebeu 2 mil passageiros em menos de um mês
(Foto: Divulgação)

Antes de completar um mês de operações e com apenas uma companhia aérea em operação, o Aeroporto Sant'Ana, de Ponta Grossa, já ultrapassou 1 mil embarques, completados nesta quinta-feira (10). Se somados aos desembarques, o número chega a 1970 passageiros que realizaram o trecho rota São Paulo/Campinas – Ponta Grossa, em 25 dias de operação.

Contando com os números desta quinta, foram 1015 embarques e 955 desembarques – deverão ser 2 mil até esta sexta-feira, segundo o registro realizado pela equipe de solo do Sant’Ana. Para o prefeito Marcelo Rangel, os números demonstram a importância do investimento realizado pela Prefeitura. “O aeroporto foi uma grande realização da nossa administração. Tínhamos pleno conhecimento de que esta situação iria acontecer e de que Ponta Grossa comporta a operação diária, beneficiando não só os ponta-grossenses como também toda a região dos Campos Gerais. Nossa cidade sai ganhando muito, com novos negócios e facilitando a vida dos passageiros”, conta Marcelo. O prefeito, inclusive, já realizou pedidos diretamente a Michel Temer, em Brasília, para novos investimentos no sítio aeroportuário.

Mais investimentos

O secretário municipal de Indústria, Comércio e Qualificação Profissional, Paulo Carbonar, ressalta que novos investimentos já estão com a licitação em preparação, para permitir que a operação – que hoje é visual – tenha também o apoio de uma Estação prestadora de serviços de telecomunicações e de tráfego aéreo, conhecida como EPTA. Outros confortos, como lanchonetes, estacionamentos e demais serviços estão em fase de licitação.

“Em um primeiro momento, nossos esforços se concentraram em iniciar a operação e consolidar a presença de uma companhia aérea de maneira permanente, comprovando a demanda existente. A partir de agora partimos para uma nova fase, de ampliação da capacidade e da qualidade da nossa operação”, conta Carbonar. A estação que está em estudo é composta de uma série de equipamentos, entre eles uma estação meteorológica, comando de rádio aeronáutico, sistema de gravações de mensagens aeronáuticas, barômetro aeronáutico, entre outros, além da operação em tempo integral, realizada por um operador técnico especializado.

Como funciona a operação visual

Nesta primeira fase do funcionamento do aeroporto, ele está homologado para operar visualmente. Ou seja, ao pousar no Sant’Ana, os pilotos utilizam as regras de voo visuais, como outros no Brasil. Ao pousar, ele deve ter 1,5 mil pés de altura (aproximadamente 470 metros) e 5 mil metros de horizonte de visibilidade. Mesmo assim, o piloto da aeronave levará em conta todas as condições climáticas para decidir pelo pouso, como a nebulosidade, velocidade e direção do vento, por exemplo, sendo ele soberano para tomar a decisão de pousar – mesmo que o aeroporto já conte com a operação de instrumentos.

Colaboração Assessoria de Imprensa.