Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Agentes caninas ajudam policiais a detectar drogas na fronteira

(Foto: Polícia Federal) - Agentes caninas ajudam policiais a detectar drogas na fronteira
(Foto: Polícia Federal)

Dois anos após a chegada das cadelas Collie e Cris na Polícia Federal (PF) de Guaíra, o número de apreensões e prisões por tráfico de drogas na região cresceu significativamente, de acordo com dados divulgados pela PF. Os números mostram que as agentes caninas estiveram presentes em quase metade das ações realizadas na fronteira. 

Agentes K9, como são chamadas pelos agentes (Foto: Polícia Federal)Agentes K9, como são chamadas pelos policiais (Foto: Polícia Federal) 

Somente no último ano, foram pelo menos 30 prisões em flagrante baseadas em evidências que dificilmente seriam identificadas com recursos humanos. Nessas ocasiões, o diferencial foi o uso do faro e do perfil ostensivo das pastoras alemãs para realizar barreiras surpresas e vistorias.

De acordo com a agente da PF Bibiana Orsi, os resultados da atuação das cadelas de detecção de drogas (CDDs), ou agentes K9, como são chamadas na polícia, são ainda maiores, mas alguns não chegam a ser registrados porque a quantidade de trabalho é grande.  

"A análise limitada ao número de apreensões pode mascarar a importância do K9 em Guaíra, mas esse trabalho diário dos operadores tem trazido grande repercussão no meio dos criminosos", diz a agente que ainda pontuou uma aproximação entre as polícias brasileira e paraguaia por causa da atuação das cadelas. 

Para operar as agentes caninas, os policiais federais receberam treinamentos específicos, sob a supervisão da Academia Nacional de Polícia. Os cuidados com as cadelas também incluem visitas ao veterinário e utilização de rações diferentes. O custo com as CDDs chega a R$ 2 mil por mês, para cada animal, mas de acordo com a Polícia Federal o custo é praticamente irrelevante diante do suporte oferecido pelos cães. 

Educação e prevenção 

(Foto: Polícia Federal)(Foto: Polícia Federal) 

Além da rotina nas operações, os cães também participam de projetos educacionais em escolas. São palestras e apresentações para estudantes, com ações socioeducativas para prevenção do uso de drogas. 

Só em Guaíra, quase 2 mil alunos já tiveram a chance de conhecer as ajudantes caninas da PF. 

Colaboração Bruno Previdi

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo