Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Após morte em canaleta, Defesa Social reforça riscos para ciclistas

(Foto:  Luiz Costa/SMCS) - Após morte em canaleta, Defesa Social reforça riscos para ciclistas
(Foto: Luiz Costa/SMCS)

Após um ciclista morrer em um acidente de trânsito na canaleta da Linha Verde, nesta terça-feira (23), a Defesa Social reforça os riscos de pedalar em vias exclusivas para o transporte coletivo. De acordo com a prefeitura, o espaço ainda é utilizado por uma parcela de ciclistas por uma “falsa sensação de segurança”.

A Secretaria Municipal da Defesa Social e Trânsito reforça que circular de bicicletas nas canaletas é proibido. “A mesma proibição vale para pessoas que estiverem andando, correndo ou utilizando patinetes elétricos”, aponta o secretário da Defesa Social e Trânsito, Guilherme Rangel.

No mês passado foram registrados pelo menos dois outros casos de colisão com bicicleta na canaleta: na Avenida Sete de Setembro, em frente ao Shopping Estação, e na Avenida Marechal Floriano Peixoto, no Boqueirão.

Nos dois casos há estrutura cicloviária ao lado, mas as pessoas optaram por seguir de bicicleta no caminho exclusivo para ônibus e veículos de emergência.

“A exposição do ciclista na canaleta traz riscos para a própria vida dele. Basta comparar a massa metálica de um ônibus biarticulado com a de um automóvel. Colisão com ônibus tem uma probabilidade maior de ser fatal”, aponta Rangel.

Regras de circulação

A prefeitura destaca que as canaletas exclusivas foram concebidas para segurança e dinamismo do transporte coletivo. A bicicleta é um modal de circulação individual. Por isso, os ciclistas devem utilizar ciclovia, ciclofaixa ou compartilhar a rua com os demais veículos.

A circulação em calçadas é proibida, porque coloca em risco a segurança dos pedestres. “É necessária a constituição de uma cultura no compartilhamento entre veículos e ciclistas em todo o espaço urbano, assim como ocorre em diversas cidades e países nos quais a bicicleta é mais utilizada como meio de transporte”, reforça Rangel.

Inibição de condutas perigosas

Agentes de trânsito e guardas municipais desenvolvem ações educativas de forma periódica, para alertar motoristas sobre o respeito a ciclistas e, também, atividades específicas com ciclistas sobre condutas perigosas.

A Guarda Municipal, ainda, procura inibir outras atitudes perigosas, como ciclistas que, além de estarem na canaleta, tentam pegar carona na traseira do ônibus e pessoas que sobem no teto desses veículos.

Colaboração Prefeitura de Curitiba