Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Atendimento no Hospital Evangélico segue suspenso pela segunda semana; funcionários protestam amanhã

(Foto: Divulgação) - Atendimento no Evangélico segue suspenso e funcionários protestam
(Foto: Divulgação)

A segunda semana de atendimentos suspensos no Hospital Evangélico, em Curitiba, começa com protesto dos funcionários da instituição. Está marcada uma manifestação na tarde desta segunda-feira (5) para reclamar sobre o atraso nos pagamentos.

De acordo com o Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de Curitiba e região (Sindesc), o objetivo é alertar a população sobre a situação do hospital. Os salários estão atrasados e os funcionários acabaram de receber o pagamento referente ao mês de outubro. Os vencimentos de novembro ainda não foram depositados, nem a primeira parcela do 13º salário. Além disso, muitos trabalhadores estão saindo de férias sem receber.

Suspenso

O pronto atendimento do Hospital Evangélico está suspenso desde o último dia 24 de novembro, quando pacientes do Samu, do Siate e da Central de Leitos do Sistema Único de Saúde (SUS) deixaram de ser atendidos, bem como o agendamento de cirurgias eletivas. Na última segunda-feira (28), foram interrompidas as consultas ambulatoriais e a realização de exames.

A justificativa do hospital é a falta de recursos e a suspensão do atendimento foi decidida para garantir atenção aos pacientes que já estão internados. “O contingenciamento de serviços foi a única alternativa encontrada pelo Hospital Universitário Evangélico de Curitiba para garantir que os insumos necessários ao tratamento de pacientes internados não se esgotem”, divulgou o Evangélico, em nota. A suspensão é por tempo indeterminado e depende do repasse de recursos.

A nota destaca ainda que o “funcionamento em boas condições” depende do envio de recursos. “O retorno do desconto consignado decorrente de dívida bancária contraída por gestões anteriores, compromete a continuidade da operação do hospital”.

Colaboração Danielle Sisti / Rede Massa