Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Caminhoneiro envolvido em acidente com cinco mortes é julgado

(Foto: Colaboração Stiven Souza/Cíntia Capri/Rede Massa) - Caminhoneiro envolvido em acidente com cinco mortes é julgado
(Foto: Colaboração Stiven Souza/Cíntia Capri/Rede Massa)

Começou na manhã desta quinta-feira (25), no Fórum da Justiça Estadual de Ponta Grossa, o Júri Popular que tem como réu Rafael Conrado. O caminhoneiro se envolveu em um grave acidente de trânsito que resultou na morte de cinco pessoas da mesma família.

O caminhoneiro responde por homicídio simples na condução de veículo automotor com dolo eventual em concurso formal. A previsão é que a sessão seja encerrada nesta tarde. Duas testemunhas de acusação e três de defesa foram arroladas no processo.

O acidente foi registrado na noite de 3 de agosto de 2014 no perímetro urbano da BR-376. Rafael Conrado dirigia um caminhão bitrem carregado de farelo de soja, perdeu o controle da direção, invadiu a pista contrária e atingiu o veículo Citroen C3 onde estavam as vítimas.

Leônidas Machado, de 63 anos; Maria Sirley Machado, 62; Clayre Suelen Machado Madureira, 31; Gabriele Machado Scheifer, 11; e o menino Eduardo Gomes Madureira, 6, morreram na hora.

As informações são de que Conrado fugiu do local do acidente, foi localizado no Pronto Socorro e preso. O teste de etilômetro realizado pouco depois do acidente apontou a presença de 0,44 miligramas de álcool por litro de ar expelido. Ele foi colocado em liberdade em 2016 por força de Habeas Corpus.

Rafael Conrado alega que “também foi vítima do acidente, já que afirma que foi fechado por outro caminhão, e que este teria sido o motivo de ter perdido o controle e invadido a pista contrária”. Ele também diz que “não fugiu do local do acidente, que ele foi socorrido por uma pessoa que ele desconhece, que o levou ao pronto socorro”. O acusado, apesar do resultado do exame bafométrico, diz que “não bebeu no dia do acidente, apenas no dia anterior”.  

Colaboração Stiven Souza/Cíntia Capri/Rede Massa