Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Carros de luxo, lanchas, joias e US$ 27 mil são apreendidos em Operação 14 Bis

(Foto: Colaboração Comunicação Social da Polícia Federal/Londrina/PR) - Carros, lanchas, joias e US$ 27 mil são apreendidos em Operação 14 Bis
(Foto: Colaboração Comunicação Social da Polícia Federal/Londrina/PR)

A Polícia Federal (PF) esclareceu, em coletiva de imprensa realizada nesta terça-feira (13), o resultado da Operação 14 Bis, deflagrada em conjunto com o Ministério Público Federal, a Controladoria Geral da União e a Receita Federal, que investiga a atuação de gestores e empresas em fraudes de licitações e contratos no âmbito da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).

De acordo com PF, foram apreendidos carros de luxo, joias, três lanchas e cerca de US$ 27 mil em dinheiro, que a investigação aponta que sejam fruto das fraudes. Os 20 mandados de prisão preventiva emitido foram cumpridos, e decretados para que todos os suspeitos fossem ouvidos e não tivessem tempo de combinar as versões para os fatos. Entre os detidos estão empresários e laranjas, que foram encaminhados para a delegacia. Os empresários também tiveram seus bens sequestrados e contas bloqueadas.

Os 26 mandados de busca e apreensão foram cumpridos nas empresas investigadas, em um escritório de contabilidade responsável pela declaração do imposto de renda dessas empresas, na casa de laranjas, nos imóveis de empresários e na UTFPR, no Câmpus de Cornélio Procópio. Na universidade, foram apreendidos processos e documentos que podem ter sido fraudados.

Além de empresários, dois ex-diretores da UTFPR são apontados como envolvidos no esquema: o ex- diretor de Planejamento e Administração do Câmpus Cornélio Procópio, Sandro Rogério de Almeida, e do ex-diretor-geral do Câmpus, Devanil Antonio Francisco.  Ambos foram demitidos do cargo após sindicâncias internas e processos administrativos, em 2016.

As investigações tiveram início em 2015, pela Controladoria Geral da União, após indícios de superfaturação, prestação de serviços não concretizados e desvios. De acordo com a Polícia Federal, os desvios chegam a R$ 5,7 milhões. No esquema, os empresários, com empresas de fachada, recebiam informações privilegiadas para que pudessem ganhar os processos licitatórios.

Atualização 

A Polícia Federal divulgou o balanço final referente à Operação 14 Bis na tarde desta terça-feira (13). De acordo com a Comunicação da PF, foram sequestrados e indisponibilizados vários imóveis. Além disso, foram apreendidos seis carros e uma motocicleta de alto padrão, um jet-ski, uma lancha e um barco, joias, US$ 27 mil, quatro armas e documentos relacionados às fraudes investigadas.

Colaboração Larissa Fernandes/ Rede Massa