Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Cesta básica de Ponta Grossa cai 4,05% em outubro

(Foto: IDEME) - Cesta básica de Ponta Grossa cai 4,05% em outubro
(Foto: IDEME)

O custo médio da cesta básica de Ponta Grossa voltou a cair, conforme a pesquisa do Núcleo de Políticas Públicas Rouger Miguel Vargas (NPPRMV) da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). Em outubro, o índice Cesta Básica (ICB) registrou queda de 4,05%. A aquisição dos 34 produtos da pesquisa caiu de R$ 587,42, valor registrado em setembro, para R$ 563,66.

De acordo com a pesquisa da NPP/UEPG, esta é a terceira queda consecutiva dos preços da cesta básica de Ponta Grossa. Em julho, a compra de todos os produtos saia por R$ 626,51. No mês seguinte (agosto), registrou queda de 3%, reduzindo a despesa das famílias residente no município para R$ 607,70. Já em setembro, o valor caiu 3,34%, baixando o valor da compra para R$ 587,42%.

O ICB é aferido mensalmente pela UEPG, com base nos hábitos de consumo (alimentação, higiene e limpeza) de famílias residentes em Ponta Grossa, com até três membros e renda de um a cinco salários mínimos. Os preços levantados na primeira semana de cada mês são comparados com os valores registrados no mesmo período do mês anterior.

No comparativo com o salário mínimo nacional (R$ 880), os técnicos do NPP/UEPG verificaram que, na compra de todos os produtos da cesta básica, uma família com renda um salário mínimo consumiria 64,05% do orçamento da casa. No caso de famílias com renda de dos, três, quatro e cinco salários mínimos, a despesa com a cesta levaria 32,03%; 21,35%; 16,01%; e 12,81% dos seus proventos.

Grupos

Em outubro, dos 34 produtos da cesta básica, 15 registraram elevação de preços; 19 apresentaram retração. A cebola teve a maior alta no mês, com média de 34,78%. O tomate teve a maior queda, 38,26%. Ambos pertencem ao grupo hortifrutigranjeiros que teve os preços remarcado para baixo, em 1,94%.

O grupo alimentação geral apresentou queda de 6,31%. O destaque foi para o açúcar, cujos preços subiram 8,40%. O pão teve a maior queda no grupo, com preços caindo 15,89%. No grupo carne, houve redução de preços, 1,63%. A carne bovina subiu 0,10%; e o preço do frango caiu 6,45%.

Os produtos de higiene registraram retração de preços, em média 0,72%. O papel higiênico apresentou a maior elevação, 11,28%; e o desodorante, a maior queda, 4,84%. Na seção de produtos de limpeza, houve alta de 0,04%, sendo que o preço do amaciante subiu 4,18%; e o desinfetante barateou 1,34%.

Variações

  • Grupo que mais aumentou: Limpeza 0,04%
  • Produto de maior elevação: Cebola 34,78%
  • Grupo de maior queda: Alimentação Geral 6,31%
  • Produto de maior queda: Tomate 38,26%

Colaboração Assessoria de Imprensa.