Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Choveu mais da metade da média histórica para o mês de março

(Foto: Bruna Froehner / Rede Massa) - Choveu mais da metade da média histórica para o mês de março
(Foto: Bruna Froehner / Rede Massa)

As chuvas que caíram nesta quarta-feira (14) em Curitiba, em um curto período de tempo, causaram alagamentos em vários pontos da cidade. O acumulado diário de precipitação calculado pelo Instituto Tecnológico Simepar, até às 19h, foi de 66,8 milímetros. E a média histórica de chuvas para o mês de março é de 130 milímetros. No entanto, até então o acumulado do mês já era bastante alto, de 122 milímetros antes das chuvas desta quarta-feira.

O último balanço divulgado pela prefeitura de Curitiba traz que a Defesa Civil atendeu 25 ocorrências de alagamentos, especialmente nas regiões centro e norte da cidade. Houve ainda o afundamento de asfalto na esquina da Avenida Visconde de Guarapuava com Rua Desembargador Westphalen, na área central. Foram pelo menos 40 ruas alagadas, segundo a prefeitura. Os bairros mais afetados pelas chuvas foram Boa Vista, Santa Felicidade, Centro, Cajuru, Bairro Novo e Boqueirão. Até o momento, não há feridos ou desabrigados.

Equipes da Comissão de Segurança de Edificações e Imóveis (Cosedi) foram acionadas para 17 ocorrências, principalmente para verificar riscos de desabamento de muro. Equipes do Meio Ambiente atenderam a sete quedas de árvores.

Segundo a prefeitura, os alagamentos atingiram seis unidades da Fundação de Ação Social (FAS), três delas que prestam atendimento e acolhimento a pessoas em situação de rua, localizadas na Regional Matriz; e uma que oferece acolhimento a adolescentes, na Regional Boa Vista.

As unidades atingidas são a Casa de Passagem Jardim Botânico, que teve também o guarda-pertences, afetado pelas águas, mas manterá o atendimento nesta noite; o Centro de Referência Especializado para População de Rua (Centro POP) João Dorvalino Borba, que não oferece serviços noturnos; a unidade Mais Viver, que atende 50 homens e mulheres em situação de risco pessoal ou social e a unidade de acolhimento Nova Esperança, que atende 20 meninas. Os Centros de Referência da Assistência Social (Cras) Cachoeira e Pilarzinho, ambos na Regional Boa Vista, também ficaram alagados.

Apesar dos transtornos, não foi preciso fazer a remoção dos usuários das unidades de acolhimento. O Disque-solidariedade encaminhará colchões e cobertores para atendimentos às pessoas acolhidas. Na Regional Boa Vista, uma família ficou com a casa ilhada na Rua Santa Anastácia, mas se negou a sair do local. Equipes da FAS, em alerta, visitaram os pontos mais afetados pelos alagamentos e orientaram as famílias.

A prefeitura de Curitiba ainda informou que a Secretaria Municipal da Educação (SME) mobilizou as equipes de limpeza locais. Nenhuma escola foi fechada devido à chuva. Os danos foram pontuais e as crianças foram realocadas para outros espaços dentro das mesmas unidades. No Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) Carlos Alberto de Oliveira, no Guaíra, um raio atingiu a central de alarme e a unidade ficou temporariamente sem energia, mas a situação já foi normalizada. Na Escola Municipal Professor Brandão, no Alto da Glória, entrou água pelas calhas mas a chuva não comprometeu o atendimento dos estudantes. O mesmo ocorreu na Escola Municipal Batel, na região central.

Colombo

(Foto: Jefferson Weiss / Rede Massa)(Foto: Jefferson Weiss / Rede Massa) 

A Escola Municipal Padre Jones João Tibolla, no Jardim Cristina III, em Colombo, foi atingida por um alagamento. Algumas crianças precisaram ser levadas no colo para poderem deixar a escola.