Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

CMTU entrega central de valorização de recicláveis em Londrina

(foto: CMTU/Divulgação) - CMTU entrega central de valorização de recicláveis
(foto: CMTU/Divulgação)

A Prefeitura de Londrina, por meio da Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização (CMTU), realiza nesta quarta-feira (7), às 15h,  a entrega da Central de Valorização de Materiais Recicláveis (CVMR), integrada ao programa nacional “Dê a mão para o futuro: reciclagem, trabalho e renda”, que trata da responsabilidade compartilhada para a logística reversa entre as empresas fabricantes de resíduos sólidos, o Município e a população.

O objetivo da CVMR é agregar valor na comercialização dos resíduos recicláveis, transformando as embalagens coletadas em matéria prima para a indústria. Neste sentido, estima-se aumentar em até 20% a renda das cooperativas associadas de Londrina e região, consequentemente, a ampliação da oferta de trabalho para os catadores formais.

O município aluga em barracão de R$ 16 mil por um período de 16 meses, e ficará responsável por fiscalizar as atividades e orientar a população para fazer a separação correta dos resíduos.

A Centralcoop deve cuidar da administração e gerenciamento das operações para produção da matéria prima. Um exemplo é a transformação da garrafa pet em flake, que é o plástico em pequenos flocos para utilização industrial na produção de embalagens diversas. A Central também será responsável em capacitar e qualificar as equipes de trabalho em todo o processo, visando tornar-se comercialmente atrativa e autossustentável

Para o presidente da CMTU, José Carlos Bruno de Oliveira, a entrega da CVMR, oferece benefícios significativos para a cidade. “Este é mais um avanço da coleta seletiva no Município, com o fortalecimento das cooperativas, tornando-as mais atrativas comercialmente. Também a inclusão e a promoção social; a melhoria direta na renda dos catadores; a qualificação profissional; melhor qualidade de vida dos trabalhadores; a potencialização da logística reversa dos materiais recicláveis; a destinação correta do lixo e a preservação do meio ambiente, com a possibilidade de elevar Londrina como cidade sustentável e referencial na separação de resíduos sólidos”, incentiva.

Parceria

A CVMR é o resultado do Termo de Cooperação firmado entre o Município, a Central de Coleta e Comercialização de Materiais Recicláveis de Londrina e Região (Centralcoop), o Instituto Paranaense de Logística Reversa (ILOG) e as fabricantes: Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (ABIHPEC), Associação Brasileira das Indústrias de Produtos de Limpeza (ABIPLA) e a Associação Brasileira das Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães & Bolos Industrializados (ABIMAPI).

Coordenado pelas associações, o projeto da Central de Valorização foi aprovado pelo Governo do Paraná, com a previsão de implantar sete CVMRs até 2019 - em Londrina, Maringá, Cascavel, Francisco Beltrão, Guarapuava, Ponta Grossa e região de Curitiba.

Investimentos

De acordo com os parceiros do programa “Dê a mão para o futuro” (ABIHPEC, ABIPLA E ABIMAPI), serão investidos cerca de 3,5 milhões de reais entre equipamentos, infraestrutura, veículos, treinamento e capital de giro. Além do cumprimento da lei de logística reversa, com melhorias socioambientais para a cidade, a presidente da Centralcoop, Selma Maria Assis Gonçalves, ressalta o momento especial para a coleta seletiva, com a possibilidade de ampliação do mercado a partir da comercialização direta da matéria prima. “Estamos firmando o passo para novos rumos, para que possamos ter mais autonomia e melhores condições comerciais na venda dos produtos. Também vejo a oportunidade como solução para outros catadores, já que eles poderão se juntar a nós para ter mais segurança e uma renda garantida com a formalização do trabalho. Minha expectativa é que a nossa capacidade de arrecadação dobre daqui algum tempo. Quem sabe até poderemos comercializar nossos próprios produtos a partir da matéria prima”, comemora.

Em Londrina o projeto beneficiará, de imediato, mais de 500 catadores de materiais recicláveis com impacto direto na melhoria de renda e inclusão social.

(com assessoria de imprensa)

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo