Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

De seis servidores pedidos para o Abrigo Municipal de Maringá, apenas três chegaram

Abrigo recebe crianças e adolescentes de zero a 18 anos incompletos (Foto: Roberto Furlan/Prefeitura de Maringá) - De 6 servidores pedidos para o Abrigo Municipal, apenas 3 chegaram
Abrigo recebe crianças e adolescentes de zero a 18 anos incompletos (Foto: Roberto Furlan/Prefeitura de Maringá)

Dos seis servidores requisitados pelo Ministério Público à prefeitura de Maringá para o Abrigo Municipal, apenas metade deles iniciou os trabalhos. A recomendação da Promotoria de Proteção à Infância e Juventude chegou em 24 de novembro, após denúncias da situação precária da casa feitas pelo Conselho Tutelar, Sindicato dos Servidores Municipais, Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente.

Nesta quarta-feira (7), o Conselho Tutelar esteve no Abrigo Municipal para uma vistoria, para saber se a recomendação do Ministério Público havia sido cumprida. O conselheiro Carlos Bonfim foi informado sobre a chegada de três servidores e vai relatar a situação verificada novamente à promotoria.

No ofício expedido pelo MP, o promotor Ricardo Malek Fredegoto demonstrou a preocupação de que a casa se tornasse um “depósito de crianças e adolescentes”. Desde o fechamento do Lar Bethânia, em maio, os atendidos foram levados ao abrigo, que vinha funcionando com apenas dois servidores por turno para dar conta de um público de alta vulnerabilidade, com idades entre zero e 17 anos, alguns vítimas de abuso sexual, violência física, pacientes com transtorno mental e até usuários de droga.

Para cada criança ou adolescente que chega ao local, é elaborado um plano de reintegração familiar acompanhado por uma equipe multidisciplinar, por isso, a necessidade de uma boa equipe de servidores. O Ministério Público lembrou que a responsabilidade é do município pelo bom funcionamento do serviço, já que existe a obrigação de “zelar pelo efetivo respeito aos direitos e garantias legais assegurados às crianças e adolescentes”. 

Segundo o Conselho Tutelar, a expectativa é que novos servidores só cheguem em janeiro, quando assume o novo prefeito. 

Município

A Prefeitura Municipal de Maringá informou que os três servidores suprem a demanda do abrigo e que o número foi definido em acordo com o Sindicato dos Servidores Municipais.