Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Defesa da família de Ademir Gonçalves pede agilidade nas investigações

(Foto: Rádio Cultura Foz) - Defesa da família de Ademir Gonçalves pede agilidade nas investigações
(Foto: Rádio Cultura Foz)

O advogado da família de Ademir Gonçalves Costa, tem questionado a demora da apresentação do laudo com a causa da morte, ocorrida em 28 de janeiro deste ano, após abordagem de fiscalização da Receita Federal, na aduana brasileira da Ponte Internacional da Amizade. As informações são da Rádio Cultura Foz.

O advogado Almir José dos Santos, está pedindo agilidade para a finalização do laudo da morte, para que a investigação possa ser concluída. O prazo era de 45 dias. “Sem o laudo não há o que a defesa fazer, porque no procedimento do inquérito policial não existe a previsão do contraditório. Apenas com o laudo podemos tomar outras providências”, disse Santos.

Na segunda-feira (20), a Polícia Federal, responsável pela investigação do caso, informou por meio da assessoria de imprensa, que também aguarda o documento. “O Delegado responsável pelas investigações aguarda os laudos do IML de Curitiba e o laudo de perícia do local do óbito de forma a dar continuidade ao inquérito. Quaisquer novas informações surgidas serão prontamente repassadas”, disse em nota.

Caso

Ademir Gonçalves Costa trabalhava com vendas em Cidade do Leste, no Paraguai. Quando voltava para o Brasil de mototáxi, quando foi abordado por fiscais da Receita. Ele foi algemado e levado para dentro de uma sala na aduana. Minutos depois o Siate foi acionado e contatou a morte de Ademir.

Colaboração Rádio Cultura Foz