Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Departamentos da Reitoria seguem ocupados por estudantes, diz UFPR

(Foto: Divulgação / UFPR) - Departamentos da Reitoria seguem ocupados por estudantes, diz UFPR
(Foto: Divulgação / UFPR)

A Universidade Federal do Paraná (UFPR) informou que os estudantes que ocuparam dois departamentos localizados dentro da Reitoria da instituição, no centro de Curitiba, devem manter o movimento pelo menos até esta segunda-feira (16). Os setores de Licitações e Contratações (Delic) e de Logística (Delog) foram ocupados por alunos da UFPR na última terça-feira (10).

A terceira reunião envolvendo a universidade e os estudantes para debater uma possível desocupação ocorreu neste sábado (14). O grupo de alunos que está dentro da reitoria protesta contra a demissão de trabalhadores terceirizados e a qualidade dos serviços prestados nos restaurantes universitários.

A UFPR divulgou que se dispôs a responder a todos os pontos de pauta de reivindicações e novamente alertou sobre os prejuízos à comunidade acadêmica com a ocupação. A instituição também informou que há impossibilidade legal de obrigar a empresa que presta serviço nos restaurantes universitários para recontratar 13 trabalhadores, como reivindica os estudantes. A UFPR ainda comunicou que defende a mediação do Ministério Público do Trabalho no caso, ao contrário dos manifestantes.

Em seu site, a Reitoria divulgou uma nota de apoio aos servidores técnico-administrativos e trabalhadores terceirizados da universidade:

“Apesar de alertarmos sobre as consequências de fechar os departamentos, estão irredutíveis e pareceram não medir as consequências do quanto a paralisação afeta o andamento de toda a Universidade, inclusive, na compra de medicamentos.

Manifestamos nossa total solidariedade aos servidores técnico-administrativos e aos terceirizados que estão com suas atividades afetadas pela ação dos alunos. Lamentamos, profundamente, o stress causado pela ocupação e forma de abordagem dos ocupantes. Entendemos a posição política estudantil, mas não podemos nos calar diante da situação constrangedora que os trabalhadores estão sujeitos neste momento. Trabalhadores, inclusive, que o grupo diz defender. Queremos que todos tenham as melhores condições para desenvolver suas funções.

Portanto, queremos que saibam que estamos trabalhando exaustivamente, todos os dias, em prol da resolução do conflito. Reiteramos também, nosso compromisso de fiscalizar todos os contratos, não apenas o dos restaurantes universitários de Curitiba. Nossa gestão é e sempre será implacável com qualquer descumprimento por parte das empresas licitadas”.