Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Dupla é presa por porte de arma de fogo em caso de extorsão

(Foto: Polícia Civil do Paraná) - Dupla é presa por porte de arma de fogo em caso de extorsão
(Foto: Polícia Civil do Paraná)

As investigações de um caso de extorsão em Curitiba terminaram com dois homens presos por porte ilegal de arma de fogo. Um dos detidos aplicou um golpe contra um empresário em novembro deste ano.

Maikon Michel Fernandes, conhecido como “Japa”, é suspeito de participar do crime de extorsão. Ele, que tem 34 anos, e outro homem identificado como Fabricio da Silva Paes, de 30 anos, abordaram o empresário no momento em que ele chegava em seu trabalho, no bairro Tarumã. Eles entraram no veículo da vítima, uma Mitsubishi branca, e exigiram dinheiro.

O empresário foi liberado no estacionamento de um supermercado com a promessa de que iria sacar para os suspeitos o valor de R$ 50 mil. Depois disso, a dupla fez graves ameaças para que a vítima entregasse o dinheiro.

Paes foi preso no momento em que fazia uma ligação para a vítima de um telefone público. “As diligências continuaram e através de um trabalho constante de campo e inteligência conseguimos chegar até o segundo suspeito do crime”, comentou o delegado-titular da DFR, Matheus Laiola.

Porte ilegal

O segundo suspeito foi preso nesta quarta-feira (7), em frente a um estabelecimento comercial em Campina Grande do Sul, na Região Metropolitana de Curitiba. No momento da prisão, Fernandes recebia um revólver calibre 38 de Joel Cardoso dos Santos, 54 anos.

De acordo com a polícia, Fernandes tem passagem pela polícia por roubo, porte ilegal de arma de fogo, receptação, adulteração de sinal de veículo automotor. Ele também responde por homicídio, cometido em 2011, em Colombo. Fernandes matou a própria esposa com dois tiros, na frente da filha que na época tinha quatro anos de idade.

“Com essa prisão tiramos de circulação um indivíduo de alta periculosidade. É importante ressaltar, que apesar de ter saído da prisão há pelo menos um mês, já voltou a praticar crimes graves e mesmo após a prisão de seu comparsa, foi detido no momento em que buscava outra arma de fogo, com a qual, certamente iria praticar novos delitos”, disse o delegado.

Fernandes vai responder por extorsão majorada e porte ilegal de arma de fogo com numeração suprimida. Se condenado poderá pegar de 11 a 27 anos de prisão. Santos responderá por porte ilegal de arma de fogo com numeração suprimida, com pena entre três a seis anos de prisão.

Colaboração Polícia Civil do Paraná

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo