Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Edison Brittes presta depoimento por mais de seis horas e se contradiz

(Foto: Reprodução)  - Edison Brittes presta depoimento por mais de seis horas e se contradiz
(Foto: Reprodução)

Terminou por volta das 18h30 desta quarta-feira (7) o depoimento de Edison Brittes, autor confesso do jogador Daniel Corrêa Freitas, morto no dia 27 de outubro. O suspeito foi ouvido na delegacia de São José dos Pinhais, pelo delegado responsável pelo caso, Amadeu Trevisan, por mais de seis horas.

A sessão iniciou pela manhã, teve uma pausa durante o horário do almoço, e retornou, indo até o final desta tarde. No depoimento, Edison reafirmou a versão contada anteriormente, dizendo que agiu devido à forte emoção no momento em que teria visto Daniel em cima de sua esposa, Cristiana Brittes, no que descreveu como uma tentativa de estupro.

Porém, diferente do que havia contado em um vídeo gravado por seu advogado de defesa, Claudio Dalledone, e divulgado à imprensa na quinta-feira passada, 1º de novembro, Edison disse que não foi ele quem arrombou a porta do quarto em que Cristiana e Daniel estavam. Conforme o assassino confesso do jogador, uma outra pessoa que estava na residência teria arrombado a porta, mas ainda não há detalhes de como isso teria acontecido.

Além da contradição, Edison não detalhou como o assassinato de Daniel de fato aconteceu, e a Polícia Civil terá que aguardar os resultados das perícias para traçar com mais clareza o cenário do homicídio. Na segunda-feira (5), a esposa de Edison, Cristiana Brittes, e a filha, Allana Brittes, foram ouvidas e contaram uma mesma história sobre o que teria acontecido na manhã em que o crime foi registrado. Daniel foi encontrado morto em São José dos Pinhais, depois de ter sido espancado na residência da família Brittes.

Nesta terça-feira (7), outro envolvido na morte da vítima foi preso. Eduardo Henrique Ribeiro da Silva, de 19 anos, foi detido em sua casa, em Foz do Iguaçu. De acordo com informações de Claudio Dalledone, os mandados de prisão dos outros dois suspeitos de terem participado do espancamento do jogador já foram expedidos.

Colaboração Simone Munhoz/ Rede Massa