Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Empresária denuncia cobrança de ‘coveiro particular’ no cemitério de Jaboti

(Foto: Antônio de Picolli/Portal Tanosite e jornal Tribuna do Vale) - Empresária denuncia cobrança de ‘coveiro particular’ no cemitério
(Foto: Antônio de Picolli/Portal Tanosite e jornal Tribuna do Vale)

A empresária Gilvanete Maia Bertolini, de Santo Antônio da Platina, procurou o Portal Tanosite e jornal Tribuna do Vale para denunciar a existência de um comércio ilegal de sepultamentos no Cemitério Municipal de Jaboti. Segundo ela, o esquema foi descoberto na semana passada após receber um telefonema do pedreiro Marciel Sales da Luz lhe cobrando R$ 600 pelo enterro de seu pai no dia 9 de março.

Desconfiada, Gilvanete procurou o prefeito Vanderlei de Siqueira e Silva (PSDB), o ‘Lei da Lica’, e questionou sobre a legalidade da cobrança, e foi informada pelo político que a prática seria ilegal. O prefeito então a orientou e disse para que não se preocupasse mais com o assunto, pois ira resolver o problema. No entanto, no início da semana o pedreiro voltou a questionar a empresária sobre o pagamento da suposta dívida, que então decidiu procurar a imprensa para denunciar o caso.

Na tarde desta quinta-feira, 6, o pedreiro Marciel da Luz recebeu a reportagem no Cemitério de Jaboti e admitiu as acusações feitas pela empresária. Segundo ele, o valor cobrado corresponde ao sepultamento do aposentado José Maia Filho, pai de Gilvanete, e um serviço realizado no túmulo da família. “Se fosse apenas enterrar, como no caso da mãe dela (Gilvanete), o valor seria bem inferior, em torno de R$ 150, mas precisei derrubar e erguer uma parede, e gastei com material”, justifica.

O pedreiro reconhece a irregularidade nos serviços prestados como coveiro, os quais são oferecidos gratuitamente pela prefeitura através de seu irmão Marco Antônio da Luz, contratado há pouco mais de um ano para a função. Entretanto, Marciel Luz alega que os serviços prestados por seu irmão são limitados. “Meu irmão cuida da limpeza do cemitério e realiza apenas os sepultamentos em covas, onde o contado com os restos mortais das pessoas não oferecem tanto risco como nas gavetas (túmulos). Ele trabalha sem equipamento de segurança e não recebe por insalubridade, por isso não se arrisca”, denuncia. “As pessoas sabem que ofereço tanto o serviço de pedreiro como o de coveiro de forma particular, e me procuram. No caso da Gilvanete, porém, reconheço que errei por não ter combinado o preço antes, mas mesmo trabalhando de forma irregular não posso ter prejuízo”, avalia.

Segundo o pedreiro, a prática ocorre desde 2012 quando ele retornou com a família de Curitiba para Jaboti. Em média, Marciel da Luz diz realizar quatro sepultamentos por mês na cidade, e que pretende continuar prestando o serviço de forma particular à população.

Pedro Sales da Luz Neto, de 69 anos, servidor aposentado da prefeitura, onde trabalhou por 20 anos e também ocupou a função de coveiro defende os filhos Marciel e Marcos da Luz. “Esse cemitério sempre foi uma bagunça, nenhum prefeito se preocupou em fazer a coisa do jeito certo até hoje. Não há mais espaço para enterrar as pessoas, e ninguém para aqui. Os servidores aprovados no concurso público para o cargo de auxiliar de serviços gerais não querem trabalhar como coveiros. Eles deveriam reconhecer o trabalho que meus filhos prestam ao município”, pondera.

Ouro lado

O prefeito Vanderlei de Siqueira e Silva (PSDB), o ‘Lei da Lica’, disse que o problema era desconhecido por ele até a semana passada, quando foi procurado pela empresária Gilvanete Maia. Segundo avalia, o serviço prestado por Marciel Luz é ilegal e o pedreiro poderá responder criminalmente pela prática que compete a seu irmão, Marco Antônio da Luz, funcionário da prefeitura em cargo de comissão.

Ainda de acordo com o prefeito, todas as medidas cabíveis serão tomadas pelo departamento jurídico do Executivo, que também irá analisar a cobrança indevida do pedreiro pelos serviços prestado à família da empresária.

Em relação à falta de espaço para novos sepultamentos no Cemitério Municipal de Jaboti, Silva garante que a prefeitura já negociou um terreno que se encontra em fase de desapropriação.

Colaboração Portal Tanosite e jornal Tribuna do Vale

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo