Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Faca de churrasco: arma usada para decepar pênis tinha cerca de 30cm

(Foto: Reprodução)  - Faca de churrasco: arma usada para decepar pênis tinha cerca de 30cm
(Foto: Reprodução)

Em coletiva de imprensa realizada nesta sexta-feira (9), em São José dos Pinhais, o delegado responsável pelo caso da morte de Daniel Corrêa Freitas, Amadeu Trevisan, deu detalhes sobre o crime brutal, que chocou a Região Metropolitana de Curitiba.

Conforme o relato do delegado, a faca usada para decepar o pênis do jogador tinha cerca de 30 cm, aparentemente uma faca de churrasco. A hipótese de que a arma já estava no carro em que Daniel foi transportado foi descartada, e Trevisan disse acreditar que Edison Brittes, autor confesso do crime, pegou a ferramenta antes de sair de casa, em direção ao matagal onde o jogador foi morto. “Foi um exagero muito grande, não havia necessidade disso, Edison teve tempo de pensar, de amadurecer a atitude dele”, comentou Trevisan a respeito do crime.

Os exames de perícia ainda vão atestar se Daniel foi morto antes ou depois de ter o pênis decepado, já que, em depoimento, o assassino confesso não contou como a execução do jogador aconteceu.

Após matar a vítima, Edison teria ido até uma loja e pedido para que um dos envolvidos no crime, David Willian Vollero Silva, comprasse roupas para que ele se livrasse da vestimenta com o sangue do jogador. Depois disso, a faca e as roupas teriam sido jogadas em um córrego, próximo ao matagal em que a vítima foi deixada.