Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Garçom é preso suspeito de abusar de duas meninas dentro de restaurante

Um garçom de 40 anos foi preso suspeito de abusar de duas crianças no restaurante em que trabalhava, em São José dos Pinhais, Região Metropolitana de Curitiba (RMC). A denúncia aconteceu após uma das vítimas sair chorando do restaurante, dizendo que o garçom “teria beijado na boca dela”.

A delegada responsável pelo caso, Tathiana Guzella, explicou que a denúncia aconteceu na última sexta-feira (10), quando os pais de uma das vítimas procurou a delegacia para relatar o abuso. “A menina relatou apenas que o garçom teria passado a mão na barriga e pedido um beijo no rosto. Quando ela foi beijar, ele teria virado e feito a menina beijar na boca dele”, disse.

Após a denúncia, o proprietário do restaurante verificou as imagens da câmera de segurança e na segunda-feira (13) levou o registro até a delegacia. De acordo com a delegada, o suspeito ‘convencia’ os pais a deixar a vítima assistir à televisão em outro local, e a tirava do salão principal. “Os pais estavam na mesa fazendo a refeição, ele [suspeito] convidou a menina para assistir à televisão em um salão a parte, aberto ao público. Ele não tinha conhecimento que essa câmera estava funcionando, tanto que ele fica de frente para ela”, explicou Tathiana Guzella.

As imagens registradas mostram como o garçom praticava o abuso. “Ele se masturba com a criança ali e se esfrega nela, induzindo a colocar a mão em cima do pênis dele. Tudo isso era feito sempre com roupa, pois era um lugar aberto”, disse.

Com a repercussão do caso, outra família foi até a delegacia denunciar o garçom. “A vítima, outra menina, teria contado para a família e eles não acreditaram. Após saber da situação, a família acreditou nela e foi até a delegacia”, contou a delegada, que relatou que o depoimento da menina, abusada em dezembro de 2016, foi idêntico ao da outra criança.

Informações da Polícia Civil e colaboração Louise Fiala e João Gimenes/Rede Massa