Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Investigação que levou à prisão de policiais foi feita pela PM

(Foto: Divulgação / PM) - Investigação que levou à prisão de policiais foi feita pela PM
(Foto: Divulgação / PM)

Em nota encaminhada à imprensa na tarde desta segunda-feira (13), a Polícia Militar do Paraná esclareceu que a investigação que levou à prisão de três policiais militares foi realizada pelo Serviço Reservado do 1º Batalhão de Polícia Militar (BPM) de Ponta Grossa. Foram cumpridos, nesta segunda, três mandados de prisão preventiva e seis de busca e apreensão contra três policiais. As prisões aconteceram em Maringá, Colorado e Nova Esperança. Outros dois policiais civis foram presos em Curitiba.

De acordo com a PM, os três militares atuavam no Batalhão de Polícia Rodoviária. Dois cabos, com 19 e 31 anos de experiência, além de um soldado de 20 anos, foram presos nesta segunda. Na casa de uma pessoa ligada aos policiais, foram apreendidos quase R$ 16 mil em dinheiro, mais de R$ 530 mil em cheques e R$ 95,7 mil em notas provisórias.

Veja abaixo a íntegra da nota da PM:

A Polícia Militar do Paraná cumpriu na manhã desta segunda-feira (13/02) três mandados de Prisão Preventiva e seis de Busca e Apreensão a três policiais militares por suspeita de Concussão e Associação Criminosa. Os mandados foram expedidos pela Justiça de Ponta Grossa, após aproximadamente cinco meses de levantamentos feitos pelo Serviço Velado do 1º Batalhão da Polícia Militar (1º BPM). Os policiais militares encaminhados são pertencentes ao Batalhão de Polícia Rodoviária (BPRv). Os mandados foram cumpridos em Ponta Grossa, Maringá, Nova Esperança e Colorado em operação conjunta que partiu do 1º BPM, com apoio do Serviço Velado da própria unidade, do BPRv e com apoio da Corregedoria Geral da PM (CoGer).

Os militares estaduais, dois cabos (um com 19 e outro com 31 anos de serviço) e um soldado com 20 anos ficam à disposição da justiça a partir de agora. Na casa dos dois cabos também foram encontradas munições estrangeiras. Na casa de um cidadão comum ligado aos policiais militares, segundo informações do 1º BPM, foi apreendida uma grande quantidade em dinheiro (R$ 15.902,00), cheques (R$ 534.168,32) e notas promissórias (R$ 95.789,98).

A PM esclarece que as informações sobre os policiais militares suspeitos, desde o início, foram produzidas pela própria Polícia Militar, que solicitou os mandados. Depois disso, tão logo foi informada sobre a emissão dos mandados de prisão preventiva, a Polícia Militar cumpriu-os nesta manhã. A partir de agora, todas as demais providências de ordem administrativo-disciplinar estão sendo adotadas na forma legal e regulamentar em relação aos militares estaduais em questão.

Importante ressaltar que a Corporação, para qualquer situação denunciada, busca a elucidação de todos os fatos, e, se restar comprovada responsabilidade para qualquer um dos policiais militares, os instrumentos adequados de saneamento são adotados, na forma legal, sendo respeitados os direitos ao devido processo legal, à ampla defesa e ao contraditório, para qualquer militar estadual.

Respeitado o devido processo legal, a PMPR não compactua com qualquer tipo de desvio de conduta. Inobstante a esta ação, concomitantemente a PMPR está avaliando a repercussão ético e moral da conduta dos militares em questão em face dos fatos apontados.